Pular para o conteúdo principal

E-lixo: para onde vão TVs, vídeos e micros quando morrem?

As telas de plasma chegaram pra ficar e estão tirando das prateleiras e das casas os velhos televisores de tubo cinescópios e monitores de computador. Só este ano, estima-se que as vendas das TVs de tela fina cheguem a dois milhões no Brasil. A questão é: você sabe que fim terão esses aparelhos? Provavelmente o lixo. Hoje, está cada vez mais difícil vender ou trocar tais aparelhos. Por isso, quando o assunto é reciclagem, TVs, telas de PC de plasma ou até mesmo os videocassetes (você ainda tem um desses?), esbarram num problema: como jogá-los fora sem que isso agrida o meio ambiente.
TVs e videocassetes
A decomposição des velhos televisores feitos de metais pesados pode levar de 20 a 450 anos. O problema é que, como os tubos não são recicláveis, eles causam um dano enorme se ficarem jogados nas ruas ou lixões. Em São Paulo, a prefeitura não realiza a reciclagem nem recolhe nenhum produto eletrônico. A Secretaria de Serviços da cidade admitiu para o Vírgula que cabe às empresas realizar um programa para reaproveitar esse material. E, na falta de um esquema oficial de reciclagem, resta à Secretaria aconselhar: se você quiser se desfazer de algum aparelho, troque, venda ou doe, mas nunca largue na rua. Com as empresas, a situação não melhora muito: marcas grandes como Mitsubishi, Philips e Sony não têm um projeto para o "fim" de tais aparelhos. A assessoria de comunicação da Eletros (Associação dos Fabricantes de Produtos Eletrônicos) disse em nota que o setor "tem participado dos debates em torno desses projetos de lei, considerando extremamente importante a definição de procedimentos nesse sentido", mas não informou se, atualmente, alguma empresa recicla esses produtos.
Monitores de computador
O mesmo acontece com os computadores. No Brasil, dez milhões de equipamentos novos chegam às lojas todos os anos e, sem leis que regulamentem o destino do lixo tecnológico, cerca de um milhão de computadores velhos são acrescentados ao meio ambiente todo ano. Segundo a Universidade das Nações Unidas, a fabricação de um computador usa 1,8 tonelada de diversos materiais (240 kg de combustíveis fósseis, 22 kg de produtos químicos e, acredite, 1.500 kg de água – componentes como chips precisam ser lavados várias vezes no processo). Pelos números, você pode imaginar o prejuízo caso esses materiais sejam devolvidos de forma errada à natureza. Entre os problemas está o fato de que ele, literalmente, vale ouro. O metal está presente nos contatos dos microprocessadores, das memórias e da maioria dos circuitos integrados. Além dele, outros metais descartados junto com os monitores são prata, paládio, estanho, gálio, índio, entre outros. Além disso, os mais antigos PCs contêm altas taxas de produtos químicos ou metais pesados que, quando incinerados, lançam gases tóxicos no meio ambiente, aumentando o risco de vazamento dessas toxinas e metais no solo. Para amenizar as consequências do desperdício, a ONU lançou um programa para reciclar produtos eletrônicos. Trata-se do StEP (Solving the E-Waste Problem, ou Resolvendo o problema do E-lixo, visite o site www.step-initiative.org), que estabelece padrões mundiais para a reciclagem de produtos eletrônicos. O CDI (Comitê pela Democratização da Informática), na mesma onda, realiza um trabalho de doação e reciclagem do lixo tecnológico. Uma boa dica dada pelo CDI é sempre ligar na empresa fabricante do seu PC para saber se elas possuem um programa de reciclagem do e-lixo.
O que diz a lei?
No Brasil, apenas os fabricantes e importadores de pilhas e baterias são obrigados por lei a cuidar do lixo eletrônico, por determinação do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama). Desde janeiro deste ano tramita na Câmara o projeto de lei 2061/07, do deputado Carlos Bezerra (PMDB-MT), que estabelece critérios para a reciclagem desses aparelhos. Mas por enquanto, nada de levá-lo ao plenário. Enquanto isso, segundo CDI, o mundo joga fora cerca de 150 milhões de computadores por ano. Nesse ritmo, em breve faltará espaço pra tanto lixo.

Fonte: Portal Vírgula

Comentários

  1. nossa! lá em casa as tv são antigas... sabe aquelas grandes? acho q ela são tão velhas quanto eu (20 anos)..rs pelo menos estão lá desde quando me conheço por gente. e sõa ótimas, tem tv a cabo a imagem é perfeita. n temos pressa p trocar + minha mamy q uma nova quando mudarmos de casa.

    acho q deveriam criar algum projeto p recolhe-las

    aate++++

    ResponderExcluir

Postar um comentário

COMENTÁRIOS ANÔNIMOS NÃO SERÃO POSTADOS!

Postagens mais visitadas deste blog

Ex-genro de David Miranda contará em livro porquê deixou a Igreja Deus é Amor

SERGIO SORA ANUNCIOU EM SEU PERFIL NO FACEBOOK QUE PUBLICARÁ LIVRO  SOBRE SUA SAÍDA DA IGREJA PENTECOSTAL DEUS É AMOR. SEGUNDO ELE, O LIVRO REVELARÁ "COISAS QUE ESTÃO OCULTAS AOS OLHOS DE MUITOS" E  ESTARÁ DISPONÍVEL EM ATÉ SEIS MESES. Sergio Sora em sua igreja no RJ Apontado até então como sucessor e herdeiro natural do trono de David Miranda, de seu púlpito blindado no maior templo evangélico da America do Sul no centro de São Paulo, e de mais de 9 mil igrejas o então presbítero Sergio Sora casado com a cantora Leia Miranda (filha mais nova de David Miranda) foi desligado da Igreja Deus é Amor  em 2005 por acusações de exigir a renúncia de David Miranda da presidência da igreja e por tê-lo submetido a cárcere privado e violência. Sora nega as acusações. Nas últimas semanas em sua página no Facebook Sora divulgou a informação de que decidiu publicar em um livro os principais motivos que o levaram a se desligar da igreja há seis anos, presidida por seu ex-sogro e

Igreja Deus é Amor proíbe “retetés” e outras práticas não ortodoxas em seus cultos

Fundada em 1962, a igreja Pentecostal Deus é Amor do Missionário David Miranda é hoje uma das maiores denominações evangélicas do país. Oriunda dos movimentos de cura divina da segunda safra do pentecostalismo brasileiro, a igreja Deus é amor chega ao limiar de seu jubileu de ouro mantendo as características que a tornaram conhecida: seu modelo de liderança centralizado em uma única pessoa (seu fundador e presidente vitalício); a extrema valorização dos usos e costumes (cujas proibições se estendem a todas as áreas da vida de seus fieis, incluindo a proibição de visitar ou participar de eventos em outras denominações); o forte uso do rádio como instrumento midiático de suporte as atividades desenvolvidas pela igreja (“império” este que agora ameaça ruir diante de recorrentes escândalos envolvendo “laranjas” e novas políticas de concessão de serviços de radiodifusão do governo federal) e a falta de compromisso com o ensino bíblico e teológico formal e sistemático, o que a difere da

Anatomia da Divisão : Os ex-obreiros da Igreja Deus é Amor, as divisões e a fundação de novas igrejas (Parte 1)

Fachada da Sede Mundial da IPDA em São Paulo Sidnei Moura De acordo com os resultados do Censo 2010 divulgados pelo IBGE, a Igreja Pentecostal Deus é Amor, fundada pelo autodenominado missionário David Martins Miranda, chegou ao seu Jubileu de ouro apresentando uma significativa retração no número de fieis. Se comparada a outras denominações que fizeram do discurso milagreiro seu carro-chefe, a IPDA foi a única a apresentar diminuição no número de congregados, diferente de outras denominações como a Igreja Universal do Reino de Deus, a Igreja Internacional da Graça de Deus, a Igreja Renascer em Cristo e a mais recente denominação milagreira – a Igreja Mundial do Poder de Deus, que ao contrário, aumentaram seu número de filiais, de congregados e de efetiva exposição nos meios de comunicação de massa. Conhecida pela valorização exacerbada dos usos e costumes como doutrina primaz, e de sua ênfase em milagres (que lhe rendeu fama e crescimento vertiginoso nos anos 80 e 90 devi