Pular para o conteúdo principal

Política: Pesquisas & Realidade



Começaram a ser divulgadas as primeiras pesquisas de intenção de voto nas principais cidades brasileiras. Os pontos principais das pesquisas foram distribuídos em 3 partes, com as seguintes indagações: 1)Qual é seu candidato; 2) Em quem você decididamente não votaria, e 3) Quem você acredita que ganhará as eleições.

Institutos de Pesquisas devidamente reconhecidos e respeitados estão na dianteira das pesquisas eleitorais, na maioria das vezes recomendadas por órgãos de comunicação regionais, ou pelos próprios partidos políticos. Como prevê a legislação eleitoral, toda e qualquer pesquisa de intenção de voto antes de ser divulgada nos meios de comunicação devem ser registradas no Cartório Eleitoral do município correspondente, e os meios de comunicação ao notificarem ao público os resultados devem fazer menção do protocolo de registro da pesquisa no Cartório Eleitoral.

Geralmente as pesquisas são as principais ferramentas de avaliação do início da campanha política por parte dos partidos, que é considerada como um termômetro da arrancada inicial da aceitação dos eleitores dos projetos propostos pelos candidatos pela participação e propaganda dos mesmos nos meios de comunicação. Os resultados ajudam os candidatos a melhorarem seu desempenho frente aos eleitores, porém ainda é muito cedo pra se acreditar que o resultado obtido nas pesquisas também o será nas urnas. E, além disso, muitas outras pesquisas virão ainda.

Nas últimas eleições para prefeito ocorridas em São Carlos, interior de São Paulo (a 233km da capital, atualmente com 218.000 hab.), minha cidade natal e onde resido, os resultados da última pesquisa de intenção de voto chocaram-se frontalmente com os resultados das urnas na apuração. O candidato que segundo a última pesquisa liderava com uma vantagem inatingível sobre os demais, acabou sendo derrotado pelo 3° colocado, assumindo a sua posição no ranking da apuração, o que causou admiração do eleitorado, fato que culminou numa repercussão negativa em cima dos institutos de pesquisas responsáveis pela sondagem dos eleitores. Teria havido falhas no processo de produção da pesquisa, ou alguém estava se utilizando de má fé para se promover?

Seja lá qual for o motivo, faz-se necessário que o eleitor seja um cumpridor do seu direito e dever cívico do voto de forma consciente e responsável. Os resultados das pesquisas por mais bem documentadas que sejam não podem interferir na sua decisão pelo melhor candidato, esteja ele na liderança ou em posição desprivilegiada das intenções, o que vale é o seu caráter e capacidade administrativa para governar a sua cidade, o seu município.

É comum no Brasil ouvirmos declarações de eleitores que resolveram mudar de opção simplesmente por seu candidato estar abaixo de outros nas pesquisas, declarando sua confiança ao líder da pesquisa, e após a apuração das urnas se decepcionarem com o resultado. E quando a decepção é apenas com o resultado ainda está bem, ruim é quando a decepção da população do município é com a administração implantada pelo vencedor, que infelizmente não merecia confiança!

Se você ainda não escolheu o seu candidato, fique atento ao plano de governo e propostas. Se já escolheu, tenha certeza de que de fato seja a melhor opção para sua cidade. Se o seu candidato é o primeiro colocado ou o último nas pesquisas, não se preocupe com isso. O importante é que façamos do nosso voto uma arma para o bem comum, o desenvolvimento, a amenização e solução dos principais problemas sociais dos nossos municípios. Façamos a nossa parte com dedicação, comprometimento, responsabilidade e oração.

“Portanto, daí a cada um o que deveis: a quem tributo, tributo; a quem imposto, imposto; a quem respeito, respeito; a quem honra, honra.” (Romanos 13:7)

Comentários

  1. confesso que nem comecei a correr atrás desse prejuízo. na eleição passada eu votei pela primeira vez e tava louca atrás de comícios e matérias para ler e ter certeza do que eu tava fazendo.

    + n confio nessas pesquisas.. muito suspeitas

    ResponderExcluir

Postar um comentário

COMENTÁRIOS ANÔNIMOS NÃO SERÃO POSTADOS!

Postagens mais visitadas deste blog

Ex-genro de David Miranda contará em livro porquê deixou a Igreja Deus é Amor

SERGIO SORA ANUNCIOU EM SEU PERFIL NO FACEBOOK QUE PUBLICARÁ LIVRO  SOBRE SUA SAÍDA DA IGREJA PENTECOSTAL DEUS É AMOR. SEGUNDO ELE, O LIVRO REVELARÁ "COISAS QUE ESTÃO OCULTAS AOS OLHOS DE MUITOS" E  ESTARÁ DISPONÍVEL EM ATÉ SEIS MESES. Sergio Sora em sua igreja no RJ Apontado até então como sucessor e herdeiro natural do trono de David Miranda, de seu púlpito blindado no maior templo evangélico da America do Sul no centro de São Paulo, e de mais de 9 mil igrejas o então presbítero Sergio Sora casado com a cantora Leia Miranda (filha mais nova de David Miranda) foi desligado da Igreja Deus é Amor  em 2005 por acusações de exigir a renúncia de David Miranda da presidência da igreja e por tê-lo submetido a cárcere privado e violência. Sora nega as acusações. Nas últimas semanas em sua página no Facebook Sora divulgou a informação de que decidiu publicar em um livro os principais motivos que o levaram a se desligar da igreja há seis anos, presidida por seu ex-sogro e

Igreja Deus é Amor proíbe “retetés” e outras práticas não ortodoxas em seus cultos

Fundada em 1962, a igreja Pentecostal Deus é Amor do Missionário David Miranda é hoje uma das maiores denominações evangélicas do país. Oriunda dos movimentos de cura divina da segunda safra do pentecostalismo brasileiro, a igreja Deus é amor chega ao limiar de seu jubileu de ouro mantendo as características que a tornaram conhecida: seu modelo de liderança centralizado em uma única pessoa (seu fundador e presidente vitalício); a extrema valorização dos usos e costumes (cujas proibições se estendem a todas as áreas da vida de seus fieis, incluindo a proibição de visitar ou participar de eventos em outras denominações); o forte uso do rádio como instrumento midiático de suporte as atividades desenvolvidas pela igreja (“império” este que agora ameaça ruir diante de recorrentes escândalos envolvendo “laranjas” e novas políticas de concessão de serviços de radiodifusão do governo federal) e a falta de compromisso com o ensino bíblico e teológico formal e sistemático, o que a difere da

Anatomia da Divisão : Os ex-obreiros da Igreja Deus é Amor, as divisões e a fundação de novas igrejas (Parte 1)

Fachada da Sede Mundial da IPDA em São Paulo Sidnei Moura De acordo com os resultados do Censo 2010 divulgados pelo IBGE, a Igreja Pentecostal Deus é Amor, fundada pelo autodenominado missionário David Martins Miranda, chegou ao seu Jubileu de ouro apresentando uma significativa retração no número de fieis. Se comparada a outras denominações que fizeram do discurso milagreiro seu carro-chefe, a IPDA foi a única a apresentar diminuição no número de congregados, diferente de outras denominações como a Igreja Universal do Reino de Deus, a Igreja Internacional da Graça de Deus, a Igreja Renascer em Cristo e a mais recente denominação milagreira – a Igreja Mundial do Poder de Deus, que ao contrário, aumentaram seu número de filiais, de congregados e de efetiva exposição nos meios de comunicação de massa. Conhecida pela valorização exacerbada dos usos e costumes como doutrina primaz, e de sua ênfase em milagres (que lhe rendeu fama e crescimento vertiginoso nos anos 80 e 90 devi