Pular para o conteúdo principal

14 de Maio - Independência de Israel



Hoje é dia 14 de maio, Dia da Independência de Israel - o Yom Haatzmaut (יום העצמאות) . O feriado judaico ocorre no dia 5 de Iyar, que corresponde em nosso calendário na data de hoje. No dia 14 de maio de 1948, David ben-Gurion a independência, marcando o fim do mandato britânico na palestina e a Fundação do Estado de Israel seis meses após a decisão majoritária na ONU da partilha da palestina, cuja sessão presidida pelo chanceler brasileiro Oswaldo Aranha culminou com o apoio de 33 países, entre eles o Brasil.

Abaixo, transcrevo parte da matéria publicada na revista "Veja" sobre o nascimento do estado judeu:

As cadeiras vieram emprestadas de cafés vizinhos. Os microfones, de um empório musical. Dois carpinteiros chamados às pressas ergueram o palco de madeira em tempo recorde. Um retrato do pioneiro sionista Theodor Herzl foi colocado em posição de destaque no salão principal, ladeado por duas bandeiras gigantes com a estrela de Davi (símbolo ancestral do povo judeu), lavadas e passadas de forma expedita para a ocasião. Em um piscar de olhos, o Museu Nacional de Tel-Aviv transformou-se para sediar uma cerimônia aguardada pelos hebreus há exatos 1.878 anos – desde que a destruição do Segundo Templo pelos romanos, em 70 d.C., acabou com a soberania dos judeus em Jerusalém e deu início à segunda diáspora dos seguidores de Isaac. No compromisso deste 14 de maio de 1948, porém, a história seria finalmente reescrita: a terra prometida estava voltando às mãos dos judeus.

Os convites para a reunião, marcada para as 16 horas, foram impressos na véspera e distribuídos apenas na manhã do dia do evento, com um pedido de segredo aos cerca de 250 convidados para evitar qualquer interferência externa. Entre os locais, porém, foi impossível segurar a alvissareira notícia, que rapidamente se espalhou por Tel-Aviv e levou, já por volta do meio-dia, uma multidão a cercar o local da congregação. De qualquer forma, poucas horas depois de o mandato britânico na Palestina ter se encerrado, sem maiores sobressaltos, em uma cerimônia célere, demarcada pelas firmes batidas do martelo de nogueira de David Ben-Gurion, presidente do Conselho Provisório de Estado sionista, a criação da nação judaica na Palestina – o estado de Israel – foi solenemente anunciada aos quatro ventos.

Lida por Ben-Gurion e assinada pelos 24 dos 37 membros da assembléia presentes ao histórico evento, a declaração de independência do mais novo país do globo buscou no passado histórico e no presente político as bases morais e legais para sua fundação. O documento notificava que a Terra de Israel era o local de nascimento do povo judeu e que o movimento sionista era testemunho do papel representado pela Palestina em sua história e religião. Dizia também que a declaração de Balfour e a partilha das Nações Unidas, além do sacrifício dos pioneiros sionistas e da tormenta sofrida com o Holocausto, davam aos judeus o direito inalienável de estabelecer seu estado no Oriente Médio.

A cerimônia, transmitida pela Kol Yisrael, "a voz de Israel", tornada rádio oficial do novo estado sionista, provocou uma explosão incontida na população hebraica em todos os rincões da Palestina. Enquanto dentro do Museu Nacional de Tel-Aviv o público, emocionado, entoava a plenos pulmões a Hatikvah (tradicional canção judaica que celebra a esperança), do lado de fora do recinto, assim como em diversas cidades da nova nação – à exceção de Jerusalém, que se encontrava sem eletricidade –, populares ganhavam as ruas para congratular-se uns aos outros.

“Filho do homem, estes ossos poderão voltar a viver?" foi a pergunta de Deus ao profeta Ezequiel. Com muita propriedade, Ezequiel reconheceu que tudo aquilo que está encoberto aos homens de fato é conhecido por Deus, respondendo: "Senhor, tu sabes". De fato, hoje podemos reconhecer que há 61 anos Deus tem cumprido suas promessas em relação ao povo judeu, embora muito ainda se tenha a realizar em Eretz Israel. O nascimento do estado judeu e sua continuidade como nação soberana é um sinal do fim dos tempos, e que de fato todas as demais predições relacionadas ao futuro da humananidade de fato se realizarão!

Parabéns ao estado judeu - 61 anos de Israel



"Exulta e jubila, ó habitante de Sião, porque grande é o Santo de Israel no meio de ti."

Isaias 12:6

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ex-genro de David Miranda contará em livro porquê deixou a Igreja Deus é Amor

SERGIO SORA ANUNCIOU EM SEU PERFIL NO FACEBOOK QUE PUBLICARÁ LIVRO  SOBRE SUA SAÍDA DA IGREJA PENTECOSTAL DEUS É AMOR. SEGUNDO ELE, O LIVRO REVELARÁ "COISAS QUE ESTÃO OCULTAS AOS OLHOS DE MUITOS" E  ESTARÁ DISPONÍVEL EM ATÉ SEIS MESES. Sergio Sora em sua igreja no RJ Apontado até então como sucessor e herdeiro natural do trono de David Miranda, de seu púlpito blindado no maior templo evangélico da America do Sul no centro de São Paulo, e de mais de 9 mil igrejas o então presbítero Sergio Sora casado com a cantora Leia Miranda (filha mais nova de David Miranda) foi desligado da Igreja Deus é Amor  em 2005 por acusações de exigir a renúncia de David Miranda da presidência da igreja e por tê-lo submetido a cárcere privado e violência. Sora nega as acusações. Nas últimas semanas em sua página no Facebook Sora divulgou a informação de que decidiu publicar em um livro os principais motivos que o levaram a se desligar da igreja há seis anos, presidida por seu ex-sogro e

Igreja Deus é Amor proíbe “retetés” e outras práticas não ortodoxas em seus cultos

Fundada em 1962, a igreja Pentecostal Deus é Amor do Missionário David Miranda é hoje uma das maiores denominações evangélicas do país. Oriunda dos movimentos de cura divina da segunda safra do pentecostalismo brasileiro, a igreja Deus é amor chega ao limiar de seu jubileu de ouro mantendo as características que a tornaram conhecida: seu modelo de liderança centralizado em uma única pessoa (seu fundador e presidente vitalício); a extrema valorização dos usos e costumes (cujas proibições se estendem a todas as áreas da vida de seus fieis, incluindo a proibição de visitar ou participar de eventos em outras denominações); o forte uso do rádio como instrumento midiático de suporte as atividades desenvolvidas pela igreja (“império” este que agora ameaça ruir diante de recorrentes escândalos envolvendo “laranjas” e novas políticas de concessão de serviços de radiodifusão do governo federal) e a falta de compromisso com o ensino bíblico e teológico formal e sistemático, o que a difere da

Anatomia da Divisão : Os ex-obreiros da Igreja Deus é Amor, as divisões e a fundação de novas igrejas (Parte 1)

Fachada da Sede Mundial da IPDA em São Paulo Sidnei Moura De acordo com os resultados do Censo 2010 divulgados pelo IBGE, a Igreja Pentecostal Deus é Amor, fundada pelo autodenominado missionário David Martins Miranda, chegou ao seu Jubileu de ouro apresentando uma significativa retração no número de fieis. Se comparada a outras denominações que fizeram do discurso milagreiro seu carro-chefe, a IPDA foi a única a apresentar diminuição no número de congregados, diferente de outras denominações como a Igreja Universal do Reino de Deus, a Igreja Internacional da Graça de Deus, a Igreja Renascer em Cristo e a mais recente denominação milagreira – a Igreja Mundial do Poder de Deus, que ao contrário, aumentaram seu número de filiais, de congregados e de efetiva exposição nos meios de comunicação de massa. Conhecida pela valorização exacerbada dos usos e costumes como doutrina primaz, e de sua ênfase em milagres (que lhe rendeu fama e crescimento vertiginoso nos anos 80 e 90 devi