Pular para o conteúdo principal

Os estranhos caminhos da Diplomacia Brasileira - ONG acusa Brasil de proteger países que violam Direitos Humanos

Uma respeitada entidade de defesa de direitos humanos, a Human Rights Watch, acusou o Brasil de usar seu voto nas Nações Unidas para proteger países acusados de violações desses direitos.

Falando na Suíça durante reunião do Conselho de Direitos Humanos da ONU, o Presidente Lula defendeu o diálogo e não a imposição como melhor forma de se obter a colaboração dos países acusados.

Na ONU, em Genebra, o Presidente Lula defendeu o diálogo como a melhor maneira de fazer com que os direitos humanos sejam respeitados. "Esse Conselho deve procurar o diálogo e não impor o caminho para proteger os direitos humanos. O exemplo é a melhor maneira de persuadir", afirmou.

Mas, de acordo com ONGs de defesa dos direitos humanos, o exemplo que o Brasil tem dado nas reuniões do Conselho da ONU é outro. Um relatório da respeitada ONG Human Rights Watch acusa o Brasil de usar seu voto para proteger países que violam os direitos humanos. (g1.com)

Confira a reportagem sobre o assunto, veiculada pelo Jornal da Globo nesta segunda-feira, dia 15 de junho:

Na ocasião da visita do presidente iraniano Mahmouhd Ahmadinejad que felizmente acabou por ser cancelada, publiquei aqui no blog uma matéria específica, confrontando as honrosas atitudes do Ministério de Relações Exteriores no passado com os caminhos que nesse atual governo o Itamaraty tem tomado em relação a política externa. Na ocasião, fiz questão de detalhar que o Brasil, neste governo, tomou atitudes reprováveis no uso de suas atribuições nos conselhos dos quais faz parte na ONU, votando contra Israel, contra a condenação do massacre efetuado por líderes muçulmanos no Sudão, dentre outras tolices, sob pretexto de "negociação".

A pergunta que não quer se calar é: Até onde chegará a diplomacia brasileira?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ex-genro de David Miranda contará em livro porquê deixou a Igreja Deus é Amor

SERGIO SORA ANUNCIOU EM SEU PERFIL NO FACEBOOK QUE PUBLICARÁ LIVRO  SOBRE SUA SAÍDA DA IGREJA PENTECOSTAL DEUS É AMOR. SEGUNDO ELE, O LIVRO REVELARÁ "COISAS QUE ESTÃO OCULTAS AOS OLHOS DE MUITOS" E  ESTARÁ DISPONÍVEL EM ATÉ SEIS MESES. Sergio Sora em sua igreja no RJ Apontado até então como sucessor e herdeiro natural do trono de David Miranda, de seu púlpito blindado no maior templo evangélico da America do Sul no centro de São Paulo, e de mais de 9 mil igrejas o então presbítero Sergio Sora casado com a cantora Leia Miranda (filha mais nova de David Miranda) foi desligado da Igreja Deus é Amor  em 2005 por acusações de exigir a renúncia de David Miranda da presidência da igreja e por tê-lo submetido a cárcere privado e violência. Sora nega as acusações. Nas últimas semanas em sua página no Facebook Sora divulgou a informação de que decidiu publicar em um livro os principais motivos que o levaram a se desligar da igreja há seis anos, presidida por seu ex-sogro e

Igreja Deus é Amor proíbe “retetés” e outras práticas não ortodoxas em seus cultos

Fundada em 1962, a igreja Pentecostal Deus é Amor do Missionário David Miranda é hoje uma das maiores denominações evangélicas do país. Oriunda dos movimentos de cura divina da segunda safra do pentecostalismo brasileiro, a igreja Deus é amor chega ao limiar de seu jubileu de ouro mantendo as características que a tornaram conhecida: seu modelo de liderança centralizado em uma única pessoa (seu fundador e presidente vitalício); a extrema valorização dos usos e costumes (cujas proibições se estendem a todas as áreas da vida de seus fieis, incluindo a proibição de visitar ou participar de eventos em outras denominações); o forte uso do rádio como instrumento midiático de suporte as atividades desenvolvidas pela igreja (“império” este que agora ameaça ruir diante de recorrentes escândalos envolvendo “laranjas” e novas políticas de concessão de serviços de radiodifusão do governo federal) e a falta de compromisso com o ensino bíblico e teológico formal e sistemático, o que a difere da

Anatomia da Divisão : Os ex-obreiros da Igreja Deus é Amor, as divisões e a fundação de novas igrejas (Parte 1)

Fachada da Sede Mundial da IPDA em São Paulo Sidnei Moura De acordo com os resultados do Censo 2010 divulgados pelo IBGE, a Igreja Pentecostal Deus é Amor, fundada pelo autodenominado missionário David Martins Miranda, chegou ao seu Jubileu de ouro apresentando uma significativa retração no número de fieis. Se comparada a outras denominações que fizeram do discurso milagreiro seu carro-chefe, a IPDA foi a única a apresentar diminuição no número de congregados, diferente de outras denominações como a Igreja Universal do Reino de Deus, a Igreja Internacional da Graça de Deus, a Igreja Renascer em Cristo e a mais recente denominação milagreira – a Igreja Mundial do Poder de Deus, que ao contrário, aumentaram seu número de filiais, de congregados e de efetiva exposição nos meios de comunicação de massa. Conhecida pela valorização exacerbada dos usos e costumes como doutrina primaz, e de sua ênfase em milagres (que lhe rendeu fama e crescimento vertiginoso nos anos 80 e 90 devi