Pular para o conteúdo principal

O Natal foi celebrado pela igreja primitiva?




Em 25 de Kislev (dezembro) do ano 164 a.EC, Israel vence uma grande e dura batalha. Sob a Liderança dos Macabeus, os judeus venceram os dominadores gregos que tentavam impôr sua cultura e costumes religiosos. O Templo havia sido saqueado e o altar tinha sido profanado pelo rei selêucida Antíoco Epifânio, no entanto, a vitória dos judeus sob seus exércitos lhes deram o direito de novamente ter o Templo em suas mãos. A dedicação do altar restaurado aconteceu exatamente no dia 25 de Kislev, na mesma data em que três anos antes ele havia sido profanado por sacrifícios pagãos. O Templo teve de ser purificado, e sofreu alguns reparos, a fim de que estivesse em perfeitas condições para que fosse realizada a reconsagração do lugar. A alegria dos judeus foi eufórica, e assim decidiu-se pela realização de uma festa de dedicação, que se estenderia por oito dias, que tivesse suas características próprias, embora semelhantes a Festas dos Tabernáculos.


Como conseqüência da representação do fortalecimento da consciência nacional e espiritual do povo de Israel após anos de opressão e perseguição religiosa, a festa passou a ser comemorada anualmente. Chamada de “Festa das Luzes” pelo historiador Flávio Josefo, a euforia da festa não se limitava apenas ao fato da comemoração da vitória sobre os Gregos, mas principalmente pela manifestação de um sinal miraculoso, conhecido como “Milagre do Vaso de Óleo”.

Mishná (coleção de leis e costumes judaicos) retrata o milagre ocorrido onde, segundo a tradição, teria sido encontrado um frasco com óleo santificado no interior do templo, suficiente para manter as chamas do candelabro acesas por apenas um dia, mas que perdurou por oito dias de forma miraculosa, período necessário para que fossem celebradas as reuniões solenes e festas de Dedicação do Templo.


Assim, surgiu essa festa nacional de alegria. O Templo passou a ser iluminado, e as casas também com muitas luzes, o que originou o costume de se acender um candelabro com 8 velas, simbolizando os oito dias de Dedicação.

No Novo Testamento a Festa de Chanucah é citada de forma curiosa, com registro em João 10:22-23, onde se lê: “Celebrava-se em Jerusalém a Festa da Dedicação. Era inverno, e Jesus passeava no Templo...”

Existem possibilidades da Festa de Chanucah ter influenciado o Natal Cristão. A proximidade das festas no contexto cronológico das datas, e o fato do costume de se acender luzes nas duas festas pode ser um indicador dessa possibilidade.


Além disso, o erudito bíblico e judeu cristão Alfred Edersheim escreveu em 1874 que a Festa da Dedicação do Templo – 25 de kislev - foi usada pela Igreja Primitiva como sendo o dia do nascimento de Cristo – o dia do Natal – que passou a ser considerado o dia em que o corpo de Cristo, o templo verdadeiro, foi dedicado.

Hoje, o principal aspecto da festa é a cerimônia de acender as velas todas as noites – uma na primeira, duas na segunda, etc. – para recordar o milagre no Templo. A mensagem de Chanucah em Israel focaliza intensamente o tema da restauração da soberania; também os costumes praticados na Diáspora, de se dar presentes e brincar com o sevivon (pião) são bastante comuns. Os lados do pião são decorados com as iniciais hebraicas da frase: “Um grande milagre ocorreu aqui” (piões israelenses); na Diáspora os piões trazem as iniciais de “Um grande milagre ocorreu lá”.

Bibliografia:


WINKLER, Fredi. As Festas Judaicas. Actual Edições. (Obra Missionária Chamada da Meia Noite). Porto Alegre, RS.

Israel em Foco: Folheto da Missão Diplomática de Israel


P.S.: A matéria ja havia sido publicada nesse blog em Dezembro de 2008.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ex-genro de David Miranda contará em livro porquê deixou a Igreja Deus é Amor

SERGIO SORA ANUNCIOU EM SEU PERFIL NO FACEBOOK QUE PUBLICARÁ LIVRO  SOBRE SUA SAÍDA DA IGREJA PENTECOSTAL DEUS É AMOR. SEGUNDO ELE, O LIVRO REVELARÁ "COISAS QUE ESTÃO OCULTAS AOS OLHOS DE MUITOS" E  ESTARÁ DISPONÍVEL EM ATÉ SEIS MESES.
Apontado até então como sucessor e herdeiro natural do trono de David Miranda, de seu púlpito blindado no maior templo evangélico da America do Sul no centro de São Paulo, e de mais de 9 mil igrejas o então presbítero Sergio Sora casado com a cantora Leia Miranda (filha mais nova de David Miranda) foi desligado da Igreja Deus é Amor  em 2005 por acusações de exigir a renúncia de David Miranda da presidência da igreja e por tê-lo submetido a cárcere privado e violência. Sora nega as acusações. Nas últimas semanas em sua página no Facebook Sora divulgou a informação de que decidiu publicar em um livro os principais motivos que o levaram a se desligar da igreja há seis anos, presidida por seu ex-sogro e em que por mais de vinte anos ocupou a funçã…

O Bocado Molhado - o apelo final de Cristo à Judas Iscariotes

Queriote, localidade de Moabe (Jr 48.24), a pouco mais de vinte e dois quilômetros ao sul de Hebrom, e a vinte e cinco quilô­metros a oeste do mar Morto, era uma cidade como outra qual­quer, não fosse a referência a um de seus filhos — Judas Iscariotes, no hebraico Ish-Querioth, "Homem de Queriote". Escolhido para o colégio apostólico, Judas tinha nas mãos as mais inacreditáveis oportunidades; afinal de contas, Jesus o havia escolhido para um elevado ofício: cuidar das finanças do grupo apostólico. Certamen­te possuía características que justificassem sua escolha. 
Seguindo as pegadas de Judas durante o ministério público de Jesus, podemos delinear o perfil deste, que será lembrado por toda a história como o "traidor". Suas atitudes gananciosas revelam profundas feridas, veias maléficas que o acompa­nharam durante toda a vida. Judas era o único dos discípulos de Jesus que não provinha da Galiléia; era de Queriote, Judéia. Os habitantes da Judéia desprezavam os nat…

Anatomia da Divisão : Os ex-obreiros da Igreja Deus é Amor, as divisões e a fundação de novas igrejas (Parte 1)

Sidnei Moura

De acordo com os resultados do Censo 2010 divulgados pelo IBGE, a Igreja Pentecostal Deus é Amor, fundada pelo autodenominado missionário David Martins Miranda, chegou ao seu Jubileu de ouro apresentando uma significativa retração no número de fieis. Se comparada a outras denominações que fizeram do discurso milagreiro seu carro-chefe, a IPDA foi a única a apresentar diminuição no número de congregados, diferente de outras denominações como a Igreja Universal do Reino de Deus, a Igreja Internacional da Graça de Deus, a Igreja Renascer em Cristo e a mais recente denominação milagreira – a Igreja Mundial do Poder de Deus, que ao contrário, aumentaram seu número de filiais, de congregados e de efetiva exposição nos meios de comunicação de massa.
Conhecida pela valorização exacerbada dos usos e costumes como doutrina primaz, e de sua ênfase em milagres (que lhe rendeu fama e crescimento vertiginoso nos anos 80 e 90 devido às concorridas concentrações de milagres realizadas no…