Pular para o conteúdo principal

Convivência pacífica: o exemplo de mulheres palestinas e judias



E m   c o n s e q ü ê n c i a   do ataque de um terrorista-suicida palestino, uma senhora judia e uma jovem palestina tornaram-se grandes amigas:

A palestina israelense Nahalah Assad (atualmente com 31 anos) não quer desperdiçar seu tempo com ódio, apesar de ter – segundo ela – muitos motivos: pelo terrorista palestino que se explodiu ao seu lado em 1994 e a feriu gravemente; pelos homens da sua aldeia árabe de Iksel, que decidiram que ela não seria apta a casar por causa dos seus ferimentos e cicatrizes; pelos deputados árabes na Knesset (Parlamento), que não vieram visitá-la no hospital durante sua convalescença.

Nahalah também perdeu sua melhor amiga, Fadiah, quando o terrorista explodiu seu automóvel junto ao ponto de ônibus em que elas se encontravam, matando 13 pessoas, entre judeus e árabes. Até hoje o pai de Nahalah a leva de automóvel para onde sua filha precisa ir, pois ela teme andar nos ônibus israelenses.

Hoje Nahalah é casada e tem dois filhos. O que ela mais gosta de fazer é conversar com Pessy Hildesheim, uma senhora judia de 77 anos, que vive no kibutz Sarid. Pessy emigrou com seus pais da Romênia para Israel quando tinha dez anos.

Um parente de Nahalah, que há oito anos trabalhava no kibutz Sarid, falou aos moradores locais sobre a tragédia acontecida em sua família. Quando Pessy Hildesheim ouviu o relato, ela se dirigiu imediatamente para o hospital em Afula. "Nahalah estava deitada na cama como uma múmia, envolta em faixas dos pés à cabeça. Quando a vi, logo simpatizei com ela", contou Pessy ao jornal israelense Yediot Achronot, que publicou recentemente a história das duas mulheres que acreditam na convivência pacífica entre árabes e judeus. Ambas acham que os homens não serão capazes de solucionar o conflito árabe-israelense. Na sua opinião, apenas as mulheres poderão mudar a situação. "Aquilo que experimentei desde o ato terrorista e meu conhecimento da mentalidade dos homens árabes transformaram-me numa mulher obstinada", declarou Nahalah, que freqüentemente visita Pessy no kibutz.

O pai de Nahalah, Taufiq Shadfana, contou que ele e sua esposa invejam sua filha por causa do relacionamento dela com Pessy. "Principalmente minha esposa, Rasamia, gostaria de participar dessa amizade exemplar", disse Taufiq. "Durante todos esses anos tive muitos amigos judeus, mas hoje sinto medo de ir para as cidades judias, pois quando aparece um árabe logo se comenta: ‘Cuidado, pode ser um terrorista’." Quando o pai do terrorista-suicida palestino lhe telefonou para pedir desculpas porque Nahalah estava entre os feridos do atentado cometido pelo seu filho, Taufiq gritou com ele: "Por que vocês mandam seus filhos assassinar pessoas inocentes? Como você pode dizer que seu filho é um herói? Ele é exatamente o contrário!" Taufiq sente muito que os judeus, com os quais se identifica profundamente desde o atentado, o rejeitem como se ele fosse seu inimigo.

Pessy e Nahalah, porém, tornaram-se amigas verdadeiras, que sonham transformar o mundo, a começar pela convivência entre judeus e árabes em Israel.


Comentários

  1. Paz, Sidnei!

    Grande exemplo dessas duas amigas... trazendo para o cristianismo, seria interessante aplicá-lo em nosso dia-a-dia, em nossas igrejas, ministérios e convenções.

    Deus tenha misericórdia de nós.

    Muito bom o vosso blog.

    Em Cristo,


    Elian Soares
    www.evangelismoelouvor.com

    ResponderExcluir
  2. Elian,

    Sem dúvida alguma. Que o Senhor nos ajude a vivermos em união, e que a humanidade também através de Cristo experimente a paz com todos.

    Muito obrigado pela visita e pelas palavras de incentivo.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

COMENTÁRIOS ANÔNIMOS NÃO SERÃO POSTADOS!

Postagens mais visitadas deste blog

Ex-genro de David Miranda contará em livro porquê deixou a Igreja Deus é Amor

SERGIO SORA ANUNCIOU EM SEU PERFIL NO FACEBOOK QUE PUBLICARÁ LIVRO  SOBRE SUA SAÍDA DA IGREJA PENTECOSTAL DEUS É AMOR. SEGUNDO ELE, O LIVRO REVELARÁ "COISAS QUE ESTÃO OCULTAS AOS OLHOS DE MUITOS" E  ESTARÁ DISPONÍVEL EM ATÉ SEIS MESES.
Apontado até então como sucessor e herdeiro natural do trono de David Miranda, de seu púlpito blindado no maior templo evangélico da America do Sul no centro de São Paulo, e de mais de 9 mil igrejas o então presbítero Sergio Sora casado com a cantora Leia Miranda (filha mais nova de David Miranda) foi desligado da Igreja Deus é Amor  em 2005 por acusações de exigir a renúncia de David Miranda da presidência da igreja e por tê-lo submetido a cárcere privado e violência. Sora nega as acusações. Nas últimas semanas em sua página no Facebook Sora divulgou a informação de que decidiu publicar em um livro os principais motivos que o levaram a se desligar da igreja há seis anos, presidida por seu ex-sogro e em que por mais de vinte anos ocupou a funçã…

O Bocado Molhado - o apelo final de Cristo à Judas Iscariotes

Queriote, localidade de Moabe (Jr 48.24), a pouco mais de vinte e dois quilômetros ao sul de Hebrom, e a vinte e cinco quilô­metros a oeste do mar Morto, era uma cidade como outra qual­quer, não fosse a referência a um de seus filhos — Judas Iscariotes, no hebraico Ish-Querioth, "Homem de Queriote". Escolhido para o colégio apostólico, Judas tinha nas mãos as mais inacreditáveis oportunidades; afinal de contas, Jesus o havia escolhido para um elevado ofício: cuidar das finanças do grupo apostólico. Certamen­te possuía características que justificassem sua escolha. 
Seguindo as pegadas de Judas durante o ministério público de Jesus, podemos delinear o perfil deste, que será lembrado por toda a história como o "traidor". Suas atitudes gananciosas revelam profundas feridas, veias maléficas que o acompa­nharam durante toda a vida. Judas era o único dos discípulos de Jesus que não provinha da Galiléia; era de Queriote, Judéia. Os habitantes da Judéia desprezavam os nat…

Feira de doações no Eduardo Abdelnur

FEIRA DA GRATIDÃO DISTRIBUI CENTENAS DE PECAS DE ROUPAS, AGASALHOS E CALÇADOS NO EDUARDO ABDELNUR

No ultimo sábado, dia 23 de junho, foi realizada no Eduardo Abdelnur a 1a. Feira da Gratidão - Uma ação de solidariedade a favor de quem mais precisa.

Centenas de peças de roupas, calçados e agasalhos foram doados a pessoas carentes da localidade, e também foi oferecido um café da manhã.

"Depois do sucesso da realização da feira no Aracy no dia 09, passei a articular com amigos que moram no Abdelnur a possibilidade da realização da feira de doações, foi quando conheci a Mayla Souza, que nos informou sobre a carência de muitas famílias e se colocou a disposição abrindo as portas de sua casa para receber a feira de doações. Mais uma vez nossas expectativas foram superadas" afirmou Sidnei Moura, organizador da feira de doação.

"Durante todo o período em que a feira esteve aberta fomos também visitados por diversos amigos, alguns deles já haviam colaborado com a arrecadação de …