Pular para o conteúdo principal

Depois de "Persepolis", a novela gráfica "O Paraiso de Zahra" crítica o regime dos aiatolás

Na semana em que o presidente Lula desembarca em Teerã, uma história em quadrinhos de temática política, que virou sensação na internet, ganha versão em português. (Clique sobre as imagens para ampliar).

"O Paraíso de Zahra" conta a história de uma mãe em busca do filho, Mehdi, desaparecido após um protesto contra as eleições de junho de 2009 que mantiveram o presidente Mahmoud Ahmadinejad no poder.

A graphic novel é criada em tempo real, como uma novela na internet, e sua autoria é mantida sob anonimato.



Isso porque o roteirista iraniano, identificado apenas como Amir, e o desenhista árabe, Khalil, têm medo de que seus familiares no Irã possam sofrer represálias do governo.

Em entrevista à Folha, Amir reconhece que a ameaça nuclear do Irã desvia a atenção da comunidade internacional das violações de direitos humanos que ocorrem no país, e desconfia da aproximação de Lula com Ahmadinejad:

"O Brasil quer ter relevância internacional. Mas é difícil entender por que Lula dá credibilidade diplomática para Ahmadinejad quando sua guarda revolucionária está massacrando o povo iraniano. Ele deveria saber que o presidente iraniano tem mais em comum com Pinochet do que com Allende", avalia ele, que é jornalista e ativista de direitos humanos.

O enredo de "O Paraíso de Zahra" é inspirado na história da estudante Neda Soltan, morta com um tiro no peito durante um desses protestos, em junho de 2009. A cena foi toda filmada e correu o mundo via YouTube em poucas horas para depois chegar aos jornais e à TV como símbolo dos abusos do atual regime iraniano. A instantaneidade com que a internet revelou ao mundo o que os aiatolás tentam esconder deu a Amir e Khalil a ideia de criar uma história em quadrinhos que usasse o mesmo recurso para o mesmo fim.

No site, eles misturam ficção ao desenrolar das questões sociais e políticas do Irã de hoje.

"A internet e suas mídias sociais estão conectando pessoas do mundo todo a eventos ocorridos no Irã. Estamos vendo as primeiras marolas desse movimento surgirem agora. Mas há um tsunami a caminho. E queremos surfar nele!", diz.

"É muito gratificante ver leitores do mundo inteiro postando comentários no site."

A história é traduzida semanalmente para oito idiomas: do persa ao coreano. O português será o nono da lista, publicado a partir da semana que vem.

Quando for finalizada, em agosto de 2011, a história ganha versão em papel. No Brasil, o livro será publicado pela editora Leya.

"O Paraíso de Zahra" segue a trilha aberta por "Persépolis", quadrinhos de Marjane Satrapi que retratam de maneira autobiográfica os períodos pré e pós Revolução Islâmica de 1979.

"Eu amo Marjane Satrapi. Ela deu início a uma nova tradição que dá voz a toda uma geração de iranianos", afirma o autor. "Ela apresentou um novo caminho para histórias do Irã e também revelou que os quadrinhos são grandes rompedores de barreiras de espaço, tempo e linguagem."



Para Amir, o presidente Lula poderia usar sua vista ao Irã, que começa hoje, para romper outra barreira. "Lula deveria exigir a libertação de prisioneiros políticos, a liberdade de imprensa e as eleições livres."

Como "O Paraíso de Zahra" incorpora na trama os eventos do período em que é produzida, Lula corre o risco de virar personagem, por bem ou por mal. (Folha Online)


> Confira semanalmente os capítulos no site oficial O Paraíso de Zahra

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ex-genro de David Miranda contará em livro porquê deixou a Igreja Deus é Amor

SERGIO SORA ANUNCIOU EM SEU PERFIL NO FACEBOOK QUE PUBLICARÁ LIVRO  SOBRE SUA SAÍDA DA IGREJA PENTECOSTAL DEUS É AMOR. SEGUNDO ELE, O LIVRO REVELARÁ "COISAS QUE ESTÃO OCULTAS AOS OLHOS DE MUITOS" E  ESTARÁ DISPONÍVEL EM ATÉ SEIS MESES.
Apontado até então como sucessor e herdeiro natural do trono de David Miranda, de seu púlpito blindado no maior templo evangélico da America do Sul no centro de São Paulo, e de mais de 9 mil igrejas o então presbítero Sergio Sora casado com a cantora Leia Miranda (filha mais nova de David Miranda) foi desligado da Igreja Deus é Amor  em 2005 por acusações de exigir a renúncia de David Miranda da presidência da igreja e por tê-lo submetido a cárcere privado e violência. Sora nega as acusações. Nas últimas semanas em sua página no Facebook Sora divulgou a informação de que decidiu publicar em um livro os principais motivos que o levaram a se desligar da igreja há seis anos, presidida por seu ex-sogro e em que por mais de vinte anos ocupou a funçã…

O Bocado Molhado - o apelo final de Cristo à Judas Iscariotes

Queriote, localidade de Moabe (Jr 48.24), a pouco mais de vinte e dois quilômetros ao sul de Hebrom, e a vinte e cinco quilô­metros a oeste do mar Morto, era uma cidade como outra qual­quer, não fosse a referência a um de seus filhos — Judas Iscariotes, no hebraico Ish-Querioth, "Homem de Queriote". Escolhido para o colégio apostólico, Judas tinha nas mãos as mais inacreditáveis oportunidades; afinal de contas, Jesus o havia escolhido para um elevado ofício: cuidar das finanças do grupo apostólico. Certamen­te possuía características que justificassem sua escolha. 
Seguindo as pegadas de Judas durante o ministério público de Jesus, podemos delinear o perfil deste, que será lembrado por toda a história como o "traidor". Suas atitudes gananciosas revelam profundas feridas, veias maléficas que o acompa­nharam durante toda a vida. Judas era o único dos discípulos de Jesus que não provinha da Galiléia; era de Queriote, Judéia. Os habitantes da Judéia desprezavam os nat…

Feira de doações no Eduardo Abdelnur

FEIRA DA GRATIDÃO DISTRIBUI CENTENAS DE PECAS DE ROUPAS, AGASALHOS E CALÇADOS NO EDUARDO ABDELNUR

No ultimo sábado, dia 23 de junho, foi realizada no Eduardo Abdelnur a 1a. Feira da Gratidão - Uma ação de solidariedade a favor de quem mais precisa.

Centenas de peças de roupas, calçados e agasalhos foram doados a pessoas carentes da localidade, e também foi oferecido um café da manhã.

"Depois do sucesso da realização da feira no Aracy no dia 09, passei a articular com amigos que moram no Abdelnur a possibilidade da realização da feira de doações, foi quando conheci a Mayla Souza, que nos informou sobre a carência de muitas famílias e se colocou a disposição abrindo as portas de sua casa para receber a feira de doações. Mais uma vez nossas expectativas foram superadas" afirmou Sidnei Moura, organizador da feira de doação.

"Durante todo o período em que a feira esteve aberta fomos também visitados por diversos amigos, alguns deles já haviam colaborado com a arrecadação de …