Pular para o conteúdo principal

Lei federal obriga instalação e manutenção de bibliotecas em escolas em todo país

A Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania da Câmara dos Deputados aprovou por unanimidade a proposta da ex-deputada federal Esther Grossi (PT-RS), para que toda escola pública ou privada tenha, obrigatoriamente, uma biblioteca.

O projeto, anteriormente aprovado pela Comissão de Educação e Cultura, determina que cada biblioteca tenha pelo menos quatro livros por aluno matriculado.

Apresentado há seis anos, o projeto está em linha com as diretrizes traçadas pelo Plano Nacional do Livro e Leitura (PNLL), no melhor aproveitamento dos espaços educacionais, a exemplo do que ocorre em outros países. Nos EUA, por exemplo, a proposta da Associação Americana de Bibliotecas é de 10 livros por aluno em cada biblioteca, considerado um dos lugares mais propícios como ponto de difusão do interesse pela leitura.

Mas apenas propiciar, mesmo que por força de lei, a instalação de bibliotecas em cada escola brasileira, não é suficiente, segundo o secretário executivo do Plano Nacional do Livro e Leitura, José Castilho Marques Neto, que coordenou no ano passado a pesquisa "Retratos da Leitura no Brasil. Ele acrescenta que o desafio é criar uma ampla rede nacional de amparo às bibliotecas públicas.

A criação de ao menos uma biblioteca pública em cada município brasileiro é uma das propostas a serem financiadas por meio de um dos projetos do Ministério da Cultura (MinC), o Fundo Pró Leitura, cujo projeto de lei será encaminhado pelo Executivo federal em breve.

“Com a criação do Fundo, além de uma biblioteca em cada cidade brasileira, teremos também incentivos para estimular o hábito de leitura, essencial para incluir no mundo dos livros os atuais 73 milhões de não leitores”, diz Fabiano Santos, diretor nacional de Livro, Leitura e Literatura do Ministério da Cultura.
 
Fonte: Hoje em dia
 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ex-genro de David Miranda contará em livro porquê deixou a Igreja Deus é Amor

SERGIO SORA ANUNCIOU EM SEU PERFIL NO FACEBOOK QUE PUBLICARÁ LIVRO  SOBRE SUA SAÍDA DA IGREJA PENTECOSTAL DEUS É AMOR. SEGUNDO ELE, O LIVRO REVELARÁ "COISAS QUE ESTÃO OCULTAS AOS OLHOS DE MUITOS" E  ESTARÁ DISPONÍVEL EM ATÉ SEIS MESES. Sergio Sora em sua igreja no RJ Apontado até então como sucessor e herdeiro natural do trono de David Miranda, de seu púlpito blindado no maior templo evangélico da America do Sul no centro de São Paulo, e de mais de 9 mil igrejas o então presbítero Sergio Sora casado com a cantora Leia Miranda (filha mais nova de David Miranda) foi desligado da Igreja Deus é Amor  em 2005 por acusações de exigir a renúncia de David Miranda da presidência da igreja e por tê-lo submetido a cárcere privado e violência. Sora nega as acusações. Nas últimas semanas em sua página no Facebook Sora divulgou a informação de que decidiu publicar em um livro os principais motivos que o levaram a se desligar da igreja há seis anos, presidida por seu ex-sogro e

Igreja Deus é Amor proíbe “retetés” e outras práticas não ortodoxas em seus cultos

Fundada em 1962, a igreja Pentecostal Deus é Amor do Missionário David Miranda é hoje uma das maiores denominações evangélicas do país. Oriunda dos movimentos de cura divina da segunda safra do pentecostalismo brasileiro, a igreja Deus é amor chega ao limiar de seu jubileu de ouro mantendo as características que a tornaram conhecida: seu modelo de liderança centralizado em uma única pessoa (seu fundador e presidente vitalício); a extrema valorização dos usos e costumes (cujas proibições se estendem a todas as áreas da vida de seus fieis, incluindo a proibição de visitar ou participar de eventos em outras denominações); o forte uso do rádio como instrumento midiático de suporte as atividades desenvolvidas pela igreja (“império” este que agora ameaça ruir diante de recorrentes escândalos envolvendo “laranjas” e novas políticas de concessão de serviços de radiodifusão do governo federal) e a falta de compromisso com o ensino bíblico e teológico formal e sistemático, o que a difere da

A morte da David Miranda e as novas reviravoltas na Igreja Deus é Amor - Leia Miranda está de volta à denominação

Sidnei Moura Logo após a confirmação da morte do fundador e  presidente vitalício da Igreja Pentecostal Deus é Amor, ventilou-se por todos os lados que David Miranda de Oliveira (mais conhecido na denominação como David Filho), filho mais velho de Miranda, seria seu sucessor no trono, presidência e cabina blindada do "Templo da Glória de Deus" - a sede mundial das Igrejas Deus é Amor em São Paulo. Para surpresa da maioria, Ereni de Oliveira Miranda, viúva do missionário, foi empossada como líder suprema da denominação. Como se não bastasse tantas reviravoltas, o que o público não podia nem mesmo imaginar era o retorno de Leia Miranda à denominação, mas o ocorrido acaba de ser notificado e confirmado por Débora Miranda em sua conta oficial no Facebook, e pela própria Leia Miranda, em sua rede social. O retorno de Leia Miranda Em 2005 após uma confusão não muito bem explicada que teve como estopim uma possível agressão de Miranda contra sua esposa Ereni no