Pular para o conteúdo principal

Exageros em nome da fé [1]

Fui acordado na noite que se passou por um barulho ensurdecedor. A princípio pensei que fosse mais uma das brigas familiares de um dos meus vizinhos. Olhei no relógio, e já passava de meia noite e meia.

Ainda meio que "sonâmbulo", não consegui entender o que estava acontecendo na casa de um dos vizinhos : o barulho era bastante forte: gritos, pancadas no chão e também nas paredes. Assustado, levantei-me e fui até a cozinha tomar um copo de água, e enquanto caminhava pelo corredor pude compreender melhor os sons que vinham, embora não conseguisse ainda precisar se dos fundos, da frente ou dos lados. 

Não acreditei no que estava acontecendo: Em uma das casas adjacentes a minha, um grupo de "evangélicos" produziam aquele barulho infernal, que provavelmente já teria acordado os demais vizinhos com aquele som "veemente e impetuoso". Os sons emitidos alí oscilavam e eram de todas as especies que se pode imaginar: gritos, choros, palmas, pancadas nas paredes e no chão, tudo junto e misturado a cantorias e profecias. Tentei fixar minha atenção para tentar compreender o que estava acontecendo, e pude deduzir que um grupo de crentes estavam realizando na casa de um dos meus vizinhos uma reunião de oração, quem sabe uma "vigília", e ali reunidos em altas horas, davam vazão a um comportamento sobre o qual provavelmente terei de ouvir os reclames durante o dia de hoje, e quem sem dúvida alguma causarão escândalo e murmuração entre os inimigos do evangelho, produzindo assim tropeço para o reino de Deus.

Não é a primeira vez que sou testemunha de algo semelhante. Durante longo tempo no evangelho tenho sido testemunha dos mais variados movimentos e comportamentos exagerados e exacerbados em nome da fé evangélica que apenas serviram para desencaminhar. Línguas estranhas, profecias, cânticos e outros tipos de manifestações pessoais como pulos, socos, agitações e uma série de outras bizarrices em locais errados e em horario nada apropriado  invadiram a mentalidade de cristãos desprovidos do conhecimento divino sob o pretexto de "deixe Deus te usar" e de outros jargões em nada compatíveis com as escrituras, com os bons costumes, com a ética e com o domínio próprio tão valorizado por Cristo e por seus apóstolos.

Devo salientar que nada tenho contra as manifestações espirituais circunsncritas nos padrões neotestamentários. Sou testemunha de sua eficacia no uso e presença no seio da igreja cristã. Nada tenho contra reuniões de orações em lares - foi em uma simples visita evangelística que fui alcançado pelo evangelho - e tive a oportunidade de participar de muitas delas até mesmo como coordenador de equipe, pregador e orientador. No entanto, apesar da humildade e sinceridade da fé cristã, ela não nos conduz ao comportamento de meninos inconstantes, mas a maturidade, a boa ordem e a decência.

Enquanto a bagunça acontecia durante as altas horas da noite de domingo para essa segunda feia ao lado de minha residência, quando a maioria dos meus vizinhos eram acordados por aquele som veemente e impetuoso, fiquei pensando no que poderia responder se algum deles viesse me questionar, e me senti muito mal ao pensar nessa possibilidade: o que responder? Depois de refletir sobre o assunto, cheguei a conclusão de que devemos estar preparados para o que der e vier, inclusive quando a fé é posta a prova.

A partir deste post pretendo iniciar uma série de comentários sobre experiências vividas no âmbito da experimentação da espiritualidade - fatos de que fui testemunha na caminhada cristã, experiências vividas e observadas que propõem a cada um de nós a oportunidade de refletirmos sobre os propósitos cristãos para os quais fomos chamados. Convido você a refletir comigo, e partilhar também suas experiências pessoais.

Pelo evangelho puro e simples,

Sidnei Moura


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ex-genro de David Miranda contará em livro porquê deixou a Igreja Deus é Amor

SERGIO SORA ANUNCIOU EM SEU PERFIL NO FACEBOOK QUE PUBLICARÁ LIVRO  SOBRE SUA SAÍDA DA IGREJA PENTECOSTAL DEUS É AMOR. SEGUNDO ELE, O LIVRO REVELARÁ "COISAS QUE ESTÃO OCULTAS AOS OLHOS DE MUITOS" E  ESTARÁ DISPONÍVEL EM ATÉ SEIS MESES.
Apontado até então como sucessor e herdeiro natural do trono de David Miranda, de seu púlpito blindado no maior templo evangélico da America do Sul no centro de São Paulo, e de mais de 9 mil igrejas o então presbítero Sergio Sora casado com a cantora Leia Miranda (filha mais nova de David Miranda) foi desligado da Igreja Deus é Amor  em 2005 por acusações de exigir a renúncia de David Miranda da presidência da igreja e por tê-lo submetido a cárcere privado e violência. Sora nega as acusações. Nas últimas semanas em sua página no Facebook Sora divulgou a informação de que decidiu publicar em um livro os principais motivos que o levaram a se desligar da igreja há seis anos, presidida por seu ex-sogro e em que por mais de vinte anos ocupou a funçã…

O Bocado Molhado - o apelo final de Cristo à Judas Iscariotes

Queriote, localidade de Moabe (Jr 48.24), a pouco mais de vinte e dois quilômetros ao sul de Hebrom, e a vinte e cinco quilô­metros a oeste do mar Morto, era uma cidade como outra qual­quer, não fosse a referência a um de seus filhos — Judas Iscariotes, no hebraico Ish-Querioth, "Homem de Queriote". Escolhido para o colégio apostólico, Judas tinha nas mãos as mais inacreditáveis oportunidades; afinal de contas, Jesus o havia escolhido para um elevado ofício: cuidar das finanças do grupo apostólico. Certamen­te possuía características que justificassem sua escolha. 
Seguindo as pegadas de Judas durante o ministério público de Jesus, podemos delinear o perfil deste, que será lembrado por toda a história como o "traidor". Suas atitudes gananciosas revelam profundas feridas, veias maléficas que o acompa­nharam durante toda a vida. Judas era o único dos discípulos de Jesus que não provinha da Galiléia; era de Queriote, Judéia. Os habitantes da Judéia desprezavam os nat…

Centro de Cultura e de Artes de São Carlos oferece cursos gratuitos

O Centro Municipal de Arte e Cultura (Cemac) de São Carlos oferece 626 vagas para 23 cursos gratuitos voltados para todas as idades.

As vagas são divididas entre as áreas de teatro, circo, dança, samba rock, dança do ventre, desenho, aquarela, fotografia, percussão, gaita, violão, coro, produção de beats e mandalas.

Ao todo, são 32 turmas nos períodos da manhã, tarde e noite. Entre elas há opções para crianças a partir de 6 anos até adultos com mais de 45.

A programação completa pode ser consultada no site e as inscrições devem ser realizadas no Cemac, na Rua São Paulo, 745, no Centro.

As aulas serão ministradas a partir de 25 de março no Cemac, no Centros de Artes e Esportes Unificados “Emílio Manzano” e em Santa Eudóxia.

O telefone (16) 3419-8997 está disponível, das 8h30 às 11h30 e das 13h30 às 17h, para mais informações.