Pular para o conteúdo principal

Comércio eletrônico e fraudes com cartões de crédito na internet



Tal como no mundo real, as fraudes também atingem o mundo virtual da Internet. Hackers diariamente invadem nossos computadores, capturam informações pessoais e fazem transações financeiras e comerciais criminosas. Tudo isso acaba por causar enormes prejuízos às instituições bancárias, comerciais e aos próprios usuários internautas. Dentro de vários tipos de fraudes existentes iremos focar especificamente naquela que expõe a fragilidade do sistema de pagamento feito pelo cartão de crédito.

Imagine que você vai a uma loja e decide pagar suas compras com o cartão de crédito, fora de sua vista o atendente do estabelecimento toma nota dos dados do seu cartão. Passado um mês depois da compra, em sua fatura chegam cobranças de diversas compras online de sites que você nunca nem se quer ouviu falar. Obviamente a primeira atitude a ser tomada é de ligar ao banco emissor de seu cartão para pedir o cancelamento das compras realizadas. O cancelamento ou estorno é feito e, presume-se que o banco ou a administradora de seu cartão assumiu os custos do prejuízo.

O que muitos não sabem, é que quem paga por isso é o próprio lojista onde o cartão foi usado. As bandeiras de cartões de crédito não se responsabilizam por vendas não presenciais, ou seja, aquelas onde o cliente não está fisicamente presente pagando com o cartão. O dono de um e-commerce muitas vezes não sabe desse risco e toda transação que passa pela loja é aceita, imaginando que essa é uma operação sem risco. Ele começa a notar o tamanho do problema que é vender sem saber quem está do outro lado dessa operação, quando começa a receber cartas da administradora de cartões solicitando documentos que comprovem a venda cobrada na fatura dos clientes.

Hoje é muito simples fazer transações online com cartão de crédito, basta inserir o número do cartão, validade e código de segurança do mesmo. Poucos bancos solicitam senha para liberar a compra. Mesmo que a senha seja digitada, o banco não se responsabiliza caso seja algum tipo de fraude.

Então, como fazer para saber se é seguro ou não vender para determinados clientes? Impossível ter certeza em todas as vendas, porém alguns cuidados podem ser tomados para evitar esse tipo de complicação. Existem muitos fatores que levam a uma desconfiança, por exemplo: compras de valores muito elevados, clientes que fazem um novo pedido logo após ter recebido a primeira compra, pedidos com cadastro de uma cidade/estado e entrega em outro local, pedidos aprovados somente após diversas tentativas, diversos pedidos feitos com cartões de bancos diferentes etc.

Quando notado algum tipo de suspeita, é recomendado solicitar ao cliente uma cópia de seus documentos e até mesmo da frente do cartão de crédito usado no pedido. Muitos já não dão continuidade à compra quando esse tipo de solicitação costuma ser feita e, recebendo os dados é possível confirmar com a administradora de cartões se os últimos números do cartão enviado são compatíveis aos usados durante o pedido. Só com esses cuidados é possível eliminar algumas tentativas fraudulentas de compras.

É possível também contratar ferramentas de análise de risco que fazem comunicação diretamente com o banco emissor do cartão do cliente para comparar os dados usados durante o pedido. Normalmente esse tipo de serviço é cobrado por consulta e também não assume nenhuma responsabilidade durante as transações.

Dificuldades em rastrear fraudes, leis que favorecem a impunidade e, o mais grave na avaliação de especialistas, é que a maior parte das instituições bancárias sequer registra ocorrências, pois não tem interesse em expor fragilidades. Estes são fatores que colocam em risco a sobrevivência de empresas de comércio pela internet, que acabam por ficar com todo o prejuízo. As administradoras de cartões que deveriam garantir a segurança do pagamento não se responsabilizam por estas transações fraudulentas feitas com cartão de crédito pela Internet, simplesmente estornam o prejuízo da conta do comerciante.

Erick Feres 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ex-genro de David Miranda contará em livro porquê deixou a Igreja Deus é Amor

SERGIO SORA ANUNCIOU EM SEU PERFIL NO FACEBOOK QUE PUBLICARÁ LIVRO  SOBRE SUA SAÍDA DA IGREJA PENTECOSTAL DEUS É AMOR. SEGUNDO ELE, O LIVRO REVELARÁ "COISAS QUE ESTÃO OCULTAS AOS OLHOS DE MUITOS" E  ESTARÁ DISPONÍVEL EM ATÉ SEIS MESES. Sergio Sora em sua igreja no RJ Apontado até então como sucessor e herdeiro natural do trono de David Miranda, de seu púlpito blindado no maior templo evangélico da America do Sul no centro de São Paulo, e de mais de 9 mil igrejas o então presbítero Sergio Sora casado com a cantora Leia Miranda (filha mais nova de David Miranda) foi desligado da Igreja Deus é Amor  em 2005 por acusações de exigir a renúncia de David Miranda da presidência da igreja e por tê-lo submetido a cárcere privado e violência. Sora nega as acusações. Nas últimas semanas em sua página no Facebook Sora divulgou a informação de que decidiu publicar em um livro os principais motivos que o levaram a se desligar da igreja há seis anos, presidida por seu ex-sogro e

Igreja Deus é Amor proíbe “retetés” e outras práticas não ortodoxas em seus cultos

Fundada em 1962, a igreja Pentecostal Deus é Amor do Missionário David Miranda é hoje uma das maiores denominações evangélicas do país. Oriunda dos movimentos de cura divina da segunda safra do pentecostalismo brasileiro, a igreja Deus é amor chega ao limiar de seu jubileu de ouro mantendo as características que a tornaram conhecida: seu modelo de liderança centralizado em uma única pessoa (seu fundador e presidente vitalício); a extrema valorização dos usos e costumes (cujas proibições se estendem a todas as áreas da vida de seus fieis, incluindo a proibição de visitar ou participar de eventos em outras denominações); o forte uso do rádio como instrumento midiático de suporte as atividades desenvolvidas pela igreja (“império” este que agora ameaça ruir diante de recorrentes escândalos envolvendo “laranjas” e novas políticas de concessão de serviços de radiodifusão do governo federal) e a falta de compromisso com o ensino bíblico e teológico formal e sistemático, o que a difere da

Resultado final da eleição do Conselho Tutelar é publicado no Diário Oficial

Foi publicado no Diário Oficial do município de São Carlos no dia 22 de outubro o resultado final da eleição para o Conselho Tutelar. Como já era do conhecimento de todos vocês, fui eleito com 209 votos, e aguardava muito por esse momento para comemorar e agradecer o apoio e cada um dos 209 votos que recebi em todas as regiões da nossa cidade. Os próximos passos serão a homologação da eleição pelo Ministério Público, formação dos conselheiros eleitos em um treinamento de capacitação e a cerimônia de posse no dia 10 de janeiro de 2020.