Pular para o conteúdo principal

Mulheres buscam por homens mais jovens; cai número de registros formais de casamento e taxa de divórcio sobe no Brasil

Número de mulheres que casam com homens mais jovens cresce, diz IBGE

Em 2009, foram registrados 935.116 casamentos em todo o país.

Índices estão na pesquisa de Registro Civil divulgada nesta sexta (12/11). 


O número de mulheres que se casam com homens mais jovens que elas aumentou no ano passado. A mudança foi observada na pesquisa Estatísticas do Registro Civil de 2009, divulgada nesta sexta-feira (12) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatístsica (IBGE), que mostra que os percentuais cresceram gradativamente, passando de 19,3% em 1999, chegando a 21,3% em 2004 e finalmente a 23%, no último ano da pesquisa.

“As mulheres estão se casando com homens mais novos. Pode ser que futuramente esse número se torne ainda maior. É uma mudança de comportamento, ainda mais porque as mulheres estão casando mais tarde do que antes”, explicou Adalton Amadeu Bastos, gerente da pesquisa. O estado com maior percentual de casamentos cuja mulher é mais velha é o Amapá (26,2%). Distrito Federal (26,1%), Amazonas (25,6%) e Rio Grande do Norte (25,0%), também registraram índices elevados.

Apesar de em 2009 a maior taxa de casamento permanecer entre as mulheres de 20 a 24 anos, observou-se o aumento da idade média das mulheres ao casar. Em 1999, a taxa de mulheres de 30 a 34 que casavam era de 10,6%. Já em 2009, este índice ficou em 17,2%. Foi possível analisar também que a taxa de nupcialidade para pessoas do sexo feminino do grupo etário de 15 a 19 anos, em 2009, foi inferior à observada em 1999.

Ao todo, foram registrados 935.116 casamentos em todo o país em 2009. Segundo o Instituto, em relação a 2008, observou-se uma redução de 2,3%, o que interrompeu a sequência de crescimento que vinha sendo observada nos últimos seis anos.

Diminuição no número de casamentos

Desde 2002, os índices apontaram a retomada do crescimento no número de casamentos. No entanto, segundo o IBGE, os valores obtidos não se aproximam dos observados na década de 1970. Em 1974, primeiro ano da série, a taxa de nupcialidade era de 13 casamentos por mil habitantes.

As elevações das taxas de casamento, principalmente entre 2003 e 2008, podem ser atribuídas ao acesso aos serviços de Justiça, aos casais que formalizam o casamento por uniões consensuais e também às ofertas de casamento coletivo.

“Os casamentos coletivos são um grande atrativo para os casais que desejam formalizar a união. Atribuímos a pequena queda de matrimônios no ano de 2009, a possível diminuição desses casamentos coletivos”, afirmou Adalton.

De acordo com o IBGE, os casamentos entre homens divorciados que casaram com mulheres chegam a 7,2%, enquanto que o índice de mulheres divorciadas que se uniram formalmente a homens solteiros é de 5,3%. A pesquisa aponta ainda que o Rio de Janeiro foi o estado com a menor proporção de casamentos entre solteiros (77,2%), e a porcentagem mais elevada foi no Amapá (92,1%).


Divórcio em alta

Em 2009, foram registrados 177.604 processos judiciais ou escrituras públicas de divórcios. Já a taxa de separações manteve-se estável em relação a 2008, permanecendo em 0,8%, e a taxa de divórcios decresceu chegando a 1,4%. Porém, analisando os índices do IBGE desde 1984, observa-se que o patamar da taxa geral de divórcios continua elevado na comparação com os anos iniciais da pesquisa.

Segundo o IBGE, este número deve continuar aumentando, pois a lei de divórcio foi muito facilitada ao longo dos últimos anos. “A lei do divórcio virou a lei do casamento. Porque com ela as pessoas se divorciam de forma simples e podem casar novamente”, analisou Adalton, referindo-se ao crescimento da proporção de recasamentos, que representaram 17,6% do total das uniões formalizadas em 2009.

Fonte: G1

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ex-genro de David Miranda contará em livro porquê deixou a Igreja Deus é Amor

SERGIO SORA ANUNCIOU EM SEU PERFIL NO FACEBOOK QUE PUBLICARÁ LIVRO  SOBRE SUA SAÍDA DA IGREJA PENTECOSTAL DEUS É AMOR. SEGUNDO ELE, O LIVRO REVELARÁ "COISAS QUE ESTÃO OCULTAS AOS OLHOS DE MUITOS" E  ESTARÁ DISPONÍVEL EM ATÉ SEIS MESES.
Apontado até então como sucessor e herdeiro natural do trono de David Miranda, de seu púlpito blindado no maior templo evangélico da America do Sul no centro de São Paulo, e de mais de 9 mil igrejas o então presbítero Sergio Sora casado com a cantora Leia Miranda (filha mais nova de David Miranda) foi desligado da Igreja Deus é Amor  em 2005 por acusações de exigir a renúncia de David Miranda da presidência da igreja e por tê-lo submetido a cárcere privado e violência. Sora nega as acusações. Nas últimas semanas em sua página no Facebook Sora divulgou a informação de que decidiu publicar em um livro os principais motivos que o levaram a se desligar da igreja há seis anos, presidida por seu ex-sogro e em que por mais de vinte anos ocupou a funçã…

Centro de Cultura e de Artes de São Carlos oferece cursos gratuitos

O Centro Municipal de Arte e Cultura (Cemac) de São Carlos oferece 626 vagas para 23 cursos gratuitos voltados para todas as idades.

As vagas são divididas entre as áreas de teatro, circo, dança, samba rock, dança do ventre, desenho, aquarela, fotografia, percussão, gaita, violão, coro, produção de beats e mandalas.

Ao todo, são 32 turmas nos períodos da manhã, tarde e noite. Entre elas há opções para crianças a partir de 6 anos até adultos com mais de 45.

A programação completa pode ser consultada no site e as inscrições devem ser realizadas no Cemac, na Rua São Paulo, 745, no Centro.

As aulas serão ministradas a partir de 25 de março no Cemac, no Centros de Artes e Esportes Unificados “Emílio Manzano” e em Santa Eudóxia.

O telefone (16) 3419-8997 está disponível, das 8h30 às 11h30 e das 13h30 às 17h, para mais informações.

O Bocado Molhado - o apelo final de Cristo à Judas Iscariotes

Queriote, localidade de Moabe (Jr 48.24), a pouco mais de vinte e dois quilômetros ao sul de Hebrom, e a vinte e cinco quilô­metros a oeste do mar Morto, era uma cidade como outra qual­quer, não fosse a referência a um de seus filhos — Judas Iscariotes, no hebraico Ish-Querioth, "Homem de Queriote". Escolhido para o colégio apostólico, Judas tinha nas mãos as mais inacreditáveis oportunidades; afinal de contas, Jesus o havia escolhido para um elevado ofício: cuidar das finanças do grupo apostólico. Certamen­te possuía características que justificassem sua escolha. 
Seguindo as pegadas de Judas durante o ministério público de Jesus, podemos delinear o perfil deste, que será lembrado por toda a história como o "traidor". Suas atitudes gananciosas revelam profundas feridas, veias maléficas que o acompa­nharam durante toda a vida. Judas era o único dos discípulos de Jesus que não provinha da Galiléia; era de Queriote, Judéia. Os habitantes da Judéia desprezavam os nat…