Pular para o conteúdo principal

O Vaticano e a responsabilização dos judeus pela morte de Cristo

Jesus é interrogado por Pilatos


Uma decisão histórica tomada pelo papa Bento XVI no dia de ontem (03/03) sobre a responsabilidade dos judeus pela morte de Cristo chamou a atenção da comunidade internacional, de cristãos e de judeus ao redor do mundo. Em uma declaração oficial, o Vaticano divulgou em nota que, após reflexão baseada nos textos dos evangelhos, Bento XVI chegou a conclusão de que não há apoio teológico para a responsabilização do povo judeu pela crucificação, sofrimento e morte de Jesus Cristo, tese defendida arduamente pela igreja católica até o ano de 1965, mas que foi totalmente rejeitada agora em texto publicado pelo papa em um documento que será transformado em livro e publicado em 7 idiomas em todo o mundo. Trata-se de um tratado de reflexões sobre vida, sofrimento e paixão de Cristo, e de  acordo com o texto, embora os líderes religiosos da época tenham entregado Cristo a morte, o povo judeu como um todo não pode ser teologicamente responsabilizado pela morte de Jesus, o que torna o antissemitismo teologicamente incompatível.

O longa Amén
É de conhecimento de todos que a responsabilização dos judeus pela morte de Jesus foi um dos dogmas mais cruéis defendidos pela igreja durante a idade média e séculos posteriores, e provavelmente o maior responsável pelo surgimento do antissemitismo em todo o mundo, preconceito esse que culminou no massacre de milhares de judeus em fogueiras e cruzadas cristãs na idade média em toda a Europa. Como se não bastasse, é notável que a manutenção de tal dogma foi fator preponderante também no silencio da igreja em relação ao holocausto nazista na 2ª guerra mundial, quando mais de 6 milhões de judeus foram eliminados em toda a Europa, ocasião em que a força política da igreja poderia ter amenizado o sofrimento de judeus em campos de concentração e talvez até uma reviravolta no comportamento das demais nações frente a sua eliminação em massa, uma oportunidade perdida pela igreja de defender  a dignidade da vida e de mostrar seu desprendimento em relação ao nazismo. Há até fontes que ligam o silencio da igreja a uma conexão de interesses nada ortodoxos, temática amplamente debatida em pesquisas e discussões sobre o tema, e que gerou uma série de repercussões inclusive no cinema (o filme Amen do diretor Costa Gavras  produzido em 2002 explorou a temática de forma espetacular, o que o tornou para muitos o filme mais polêmico sobre a igreja).

É importante salientar que não foram todas as vertentes do cristianismo que declararam como dogma a responsabilização dos judeus pela morte de Cristo. Enquanto os ramos ortodoxos do cristianismo católico optaram pela neutralidade, alas do cristianismo protestante reformado e de outros movimentos protestantes defenderam não só apenas a nulidade de tal decisão, como apoiou os judeus em causas históricas como na ocasião do Holocausto e na fundação de seu estado soberano. Dentre tais movimentos destacam-se segmentos conservadores dos batistas, presbiterianos, metodistas, e dentre os movimentos modernos principalmente o pentecostalismo clássico que tem sua maior representatividade na igreja evangélica brasileira. Além de defender os direitos e interesses dos judeus frente ao holocausto e a fundação de seu estado atual, tais segmentos são responsáveis pela defesa de Israel nos dias atuais, seu direito de existência como nação soberana e domínio sobre seus territórios, bem como a indivisibilidade de Jerusalém como sua capital.Tais segmentos do protestantismo moderno defendem que no futuro Israel terá restaurado seu papel entre as nações como povo de Deus, tornando-se centro do culto e da adoração divina.

Embora a decisão de derrubar a responsabilidade dos judeus pela morte de Cristo tenha sido oficialmente apresentada em 1965, a fundamentação teológica da derrubada do dogma demorou muito para ser assumida pela igreja – o mesmo deveria ter sido feito há muito tempo. No entanto, foi uma atitude louvável, e o reconhecimento dos judeus será efervescente, bem como dos segmentos protestantes que tem como bandeira o apoio ao estado de Israel e aos judeus em todo o mundo.

Concluindo, como cristão convicto entendo que a responsabilidade pela morte de Cristo não é específica de um povo – a partir do momento em que o próprio Cristo afirmou ter por missão alcançar a humanidade com seu gesto de amor e substituição, a responsabilidade é de cada pessoa, de cada um dos seres humanos, o que suprime automaticamente qualquer tipo de fundamentação de preconceito como o antissemitismo. No entanto, constitui-se como uma responsabilidade que não exige punição, e sim reconhecimento. Abraçar os princípios de amor e dignidade da vida propostos por Cristo é um bom início para a retomada do reconhecimento e de retribuição a esse amor apresentado por Ele, amor este que excede todo entendimento. 

Comentários

  1. Depois de 2000 mil anos esses malditos nazistas e anti-semita vem dizer que os Judeus não tem culpa da morte de jesus, depois que incrustaram milênio de intolerância no povo,executando milhões de dos filhos de patriarca YAAQOV que também é ignorante que nunca leu no novo testamento que o próprio jesus disse aos seus discípulos que deveria morrer para ser considerado o messias, em varias passagens ele declara isso.Alias quem que escreveu o tal novo testamento que contradiz a TORÁH a qual o O PAI ETERNO entregou a MOSHÉ; será que os papas de hitler ou dos inquisitores, o papa do isis,hezbollah, al qaeda,ou fetisteus(palestinos), moabitas(romanos),edomitas(árabes),amonitas(gregos), não perca a conta isso é um terço dos inimigos dos filhos de ISRAEL;Alias na tal de cruz não estava escrito:"jesus o rei do judeus" Como os judeus iriam matar seu rei? E se ele lia as escrituras(A TORAH)na sinagogas sim porque o tal novo testamento só foi começar ser escrito 70 anos após a morte de jesus,ele era o que egípcio?QUE O BRAÇO FORTE DO ETERNO CAIA SOBRE OS EXECUTORES DE SEU POVO POR TODOS ESSES SÉCULOS."SHEMA ISRAEL ADONAI ELOHEINU ADONAI ECHAD"

    ResponderExcluir

Postar um comentário

COMENTÁRIOS ANÔNIMOS NÃO SERÃO POSTADOS!

Postagens mais visitadas deste blog

Ex-genro de David Miranda contará em livro porquê deixou a Igreja Deus é Amor

SERGIO SORA ANUNCIOU EM SEU PERFIL NO FACEBOOK QUE PUBLICARÁ LIVRO  SOBRE SUA SAÍDA DA IGREJA PENTECOSTAL DEUS É AMOR. SEGUNDO ELE, O LIVRO REVELARÁ "COISAS QUE ESTÃO OCULTAS AOS OLHOS DE MUITOS" E  ESTARÁ DISPONÍVEL EM ATÉ SEIS MESES.
Apontado até então como sucessor e herdeiro natural do trono de David Miranda, de seu púlpito blindado no maior templo evangélico da America do Sul no centro de São Paulo, e de mais de 9 mil igrejas o então presbítero Sergio Sora casado com a cantora Leia Miranda (filha mais nova de David Miranda) foi desligado da Igreja Deus é Amor  em 2005 por acusações de exigir a renúncia de David Miranda da presidência da igreja e por tê-lo submetido a cárcere privado e violência. Sora nega as acusações. Nas últimas semanas em sua página no Facebook Sora divulgou a informação de que decidiu publicar em um livro os principais motivos que o levaram a se desligar da igreja há seis anos, presidida por seu ex-sogro e em que por mais de vinte anos ocupou a funçã…

O Bocado Molhado - o apelo final de Cristo à Judas Iscariotes

Queriote, localidade de Moabe (Jr 48.24), a pouco mais de vinte e dois quilômetros ao sul de Hebrom, e a vinte e cinco quilô­metros a oeste do mar Morto, era uma cidade como outra qual­quer, não fosse a referência a um de seus filhos — Judas Iscariotes, no hebraico Ish-Querioth, "Homem de Queriote". Escolhido para o colégio apostólico, Judas tinha nas mãos as mais inacreditáveis oportunidades; afinal de contas, Jesus o havia escolhido para um elevado ofício: cuidar das finanças do grupo apostólico. Certamen­te possuía características que justificassem sua escolha. 
Seguindo as pegadas de Judas durante o ministério público de Jesus, podemos delinear o perfil deste, que será lembrado por toda a história como o "traidor". Suas atitudes gananciosas revelam profundas feridas, veias maléficas que o acompa­nharam durante toda a vida. Judas era o único dos discípulos de Jesus que não provinha da Galiléia; era de Queriote, Judéia. Os habitantes da Judéia desprezavam os nat…

Anatomia da Divisão : Os ex-obreiros da Igreja Deus é Amor, as divisões e a fundação de novas igrejas (Parte 1)

Sidnei Moura

De acordo com os resultados do Censo 2010 divulgados pelo IBGE, a Igreja Pentecostal Deus é Amor, fundada pelo autodenominado missionário David Martins Miranda, chegou ao seu Jubileu de ouro apresentando uma significativa retração no número de fieis. Se comparada a outras denominações que fizeram do discurso milagreiro seu carro-chefe, a IPDA foi a única a apresentar diminuição no número de congregados, diferente de outras denominações como a Igreja Universal do Reino de Deus, a Igreja Internacional da Graça de Deus, a Igreja Renascer em Cristo e a mais recente denominação milagreira – a Igreja Mundial do Poder de Deus, que ao contrário, aumentaram seu número de filiais, de congregados e de efetiva exposição nos meios de comunicação de massa.
Conhecida pela valorização exacerbada dos usos e costumes como doutrina primaz, e de sua ênfase em milagres (que lhe rendeu fama e crescimento vertiginoso nos anos 80 e 90 devido às concorridas concentrações de milagres realizadas no…