Pular para o conteúdo principal

Supercontrole - o cerceameento da imprensa argentina pelo governo Kirchner


Sylvia Colombo


A aprovação da lei que praticamente estatiza a produção e a distribuição de papel-jornal na Argentina foi a ação mais vistosa do novo governo da presidente Cristina Kirchner, que teve início no último dia 10 de dezembro.

Mas a lei do papel-jornal é apenas uma entre um pacote de medidas aprovadas a toque de caixa pelo Congresso nesses últimos dias do ano.

A Câmara de Deputados e o Senado, agora com maioria kirchnerista, aprovaram em tempo recorde para tempos de democracia um pacote de seis leis em apenas onze dias.

A oposição contesta, diz que o tempo foi muito exíguo para tratar de assuntos tão sensíveis, que precisariam de mais discussão. Senadores que acabavam de iniciar seus mandatos, e que não tiveram chance de estudar os temas, já tiveram de tomar decisões com relação a eles. Mas o fato é que todas as leis já estão valendo.

Entre as mais polêmicas, além da lei do papel-jornal, estão a Lei de Terras, que limita a compra destas por parte de estrangeiros, a Lei do Peão Rural, que transfere o registro de trabalhadores rurais de grêmios para o Estado, e a Lei Antiterrorista, para punir o financiamento de práticas terroristas.

A Lei Antiterrorista também poderá ser aplicada contra os meios de comunicação, caso um juiz entenda que uma notícia sobre a economia assuste a população a ponto de fazer com que as pessoas corram para comprar dólares, provocando fuga de capitais. Ou se concluir que uma denúncia sobre corrupção ou outro fato político "assuste" as pessoas e afete a governabilidade do país.

O que ficou nítido ao assistir a maratona dos senadores no período pré-natalino é que o governo quis aproveitar a ampla vantagem eleitoral para aprovar suas prioridades, antes que os ventos da crise global possam começar a abalar e economia e ameaçar a popularidade de Cristina.

A dinâmica das votações expôs a polarização entre kirchneristas e não-kirchneristas. Enquanto a oposição fazia longos discursos e tentava evitar a aprovação tão rápida das medidas, os governistas simplesmente votavam, com poucas palavras.

Todas as leis aprovadas geram a mesma preocupação. O que o governo vinha anunciando como "profundização do modelo" é, na verdade, um aumento do poder de ingerência do Estado na política e na economia.

Também causa preocupação o fato de o Congresso responder de forma tão automática aos pedidos da presidente, sem discutir apropriadamente os assuntos. Mais um sinal da fragilidade institucional que o país vive hoje, em que esses plenários estão completamente submetidos à vontade da presidente.

Se essa última quinzena do ano for uma amostra do que virá por aí, o país viverá tempos de maior controle da política e da economia e de uma centralização ainda maior de decisões em distintas áreas.

Publicado na  Folha com o título "Supercontrole".


Fonte: Texto & Contexto - um novo ponto de encontro com a literatura, artes, mídias e configurações da imprensa contemporânea.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ex-genro de David Miranda contará em livro porquê deixou a Igreja Deus é Amor

SERGIO SORA ANUNCIOU EM SEU PERFIL NO FACEBOOK QUE PUBLICARÁ LIVRO  SOBRE SUA SAÍDA DA IGREJA PENTECOSTAL DEUS É AMOR. SEGUNDO ELE, O LIVRO REVELARÁ "COISAS QUE ESTÃO OCULTAS AOS OLHOS DE MUITOS" E  ESTARÁ DISPONÍVEL EM ATÉ SEIS MESES.
Apontado até então como sucessor e herdeiro natural do trono de David Miranda, de seu púlpito blindado no maior templo evangélico da America do Sul no centro de São Paulo, e de mais de 9 mil igrejas o então presbítero Sergio Sora casado com a cantora Leia Miranda (filha mais nova de David Miranda) foi desligado da Igreja Deus é Amor  em 2005 por acusações de exigir a renúncia de David Miranda da presidência da igreja e por tê-lo submetido a cárcere privado e violência. Sora nega as acusações. Nas últimas semanas em sua página no Facebook Sora divulgou a informação de que decidiu publicar em um livro os principais motivos que o levaram a se desligar da igreja há seis anos, presidida por seu ex-sogro e em que por mais de vinte anos ocupou a funçã…

Centro de Cultura e de Artes de São Carlos oferece cursos gratuitos

O Centro Municipal de Arte e Cultura (Cemac) de São Carlos oferece 626 vagas para 23 cursos gratuitos voltados para todas as idades.

As vagas são divididas entre as áreas de teatro, circo, dança, samba rock, dança do ventre, desenho, aquarela, fotografia, percussão, gaita, violão, coro, produção de beats e mandalas.

Ao todo, são 32 turmas nos períodos da manhã, tarde e noite. Entre elas há opções para crianças a partir de 6 anos até adultos com mais de 45.

A programação completa pode ser consultada no site e as inscrições devem ser realizadas no Cemac, na Rua São Paulo, 745, no Centro.

As aulas serão ministradas a partir de 25 de março no Cemac, no Centros de Artes e Esportes Unificados “Emílio Manzano” e em Santa Eudóxia.

O telefone (16) 3419-8997 está disponível, das 8h30 às 11h30 e das 13h30 às 17h, para mais informações.

O Bocado Molhado - o apelo final de Cristo à Judas Iscariotes

Queriote, localidade de Moabe (Jr 48.24), a pouco mais de vinte e dois quilômetros ao sul de Hebrom, e a vinte e cinco quilô­metros a oeste do mar Morto, era uma cidade como outra qual­quer, não fosse a referência a um de seus filhos — Judas Iscariotes, no hebraico Ish-Querioth, "Homem de Queriote". Escolhido para o colégio apostólico, Judas tinha nas mãos as mais inacreditáveis oportunidades; afinal de contas, Jesus o havia escolhido para um elevado ofício: cuidar das finanças do grupo apostólico. Certamen­te possuía características que justificassem sua escolha. 
Seguindo as pegadas de Judas durante o ministério público de Jesus, podemos delinear o perfil deste, que será lembrado por toda a história como o "traidor". Suas atitudes gananciosas revelam profundas feridas, veias maléficas que o acompa­nharam durante toda a vida. Judas era o único dos discípulos de Jesus que não provinha da Galiléia; era de Queriote, Judéia. Os habitantes da Judéia desprezavam os nat…