Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Fevereiro, 2012

Parâmetros e princípios da verdadeira adoração

Samuel Rindlisbacher “Invoca-me no dia da angústia; eu te livrarei, e tu me glorificarás” (Sl 50.15). Muitos conhecem essa passagem popular do Salmo 50, mas seu contexto na Bíblia merece ser levado em consideração. O tema central do Salmo 50 é a adoração verdadeira a Deus, o legítimo louvor ao Senhor, o louvor que Lhe é agradável. A verdadeira adoração na Criação Adoração verdadeira começa com a Criação: “Fala o Poderoso, o Senhor Deus, e chama a terra desde o Levante até o Poente” (v.1). A real finalidade da Criação é louvar a Deus. É o que nos diz o Salmo 19.1: “Os céus proclamam a glória de Deus, e o firmamento anuncia as obras das suas mãos”. A verdadeira adoração revela a grandeza e a glória de Deus “Desde Sião, excelência de formosura, resplandece Deus. Vem o nosso Deus e não guarda silêncio; perante ele arde um fogo devorador, ao seu redor esbraveja grande tormenta” (vv.2-3). A verdadeira adoração sempre inclui e exprime a grandeza e a glória

Oscar, nostalgia e crise de identidade

Montagem - "A invenção de Hugo Cabret" Luiz Zanin Quem ganha o Oscar? O filme francês que homenageia o cinema americano ou o filme americano que homenageia o cinema francês? Claro, sempre pode haver zebra. Mas o mais provável é que um dos dois, ou O Artista (dez indicações) ou A Invenção de Hugo Cabret (11 indicações) leve o Oscar principal na noite de hoje. Se isso acontecer mesmo, tudo seguirá um script coerente, mas que indica, talvez, a existência de algo mais profundo sob a banalidade da superfície. Qual seria esse ponto comum? Os dois filmes falam, por caminhos e estilos diversos, da mesma coisa. Celebram o cinema, ou pelo menos, um tipo de cinema. E o fato de serem os grandes finalistas talvez aponte para uma crise de identidade nessa arte já mais que centenária. A Academia de Hollywood, uma espécie de termômetro ou inconsciente coletivo do cinema, em sua vertente dominante, pode ter intuído o que esses filmes têm de comum, e os levado até o fim da di

Influências nazi-fascistas de valorização da expressão nacionalista no carnaval brasileiro

Gabriel Novis Pesquisei sobre as origens do Carnaval no pai dos burros – doutor Google -, no livro de Leandro Narloch e em fontes alternativas. Interessei-me pelo lado, propositalmente esquecido, das folias de Momo.Existem pesquisadores que acham possível enterrar uma história. É fascinante a procura de uma segunda opinião, como se faz diante de um caso complexo na medicina. Diz o Narloch que “um traço comum no carnaval de diferentes épocas e países, é o de virar as regras pelo avesso. Escravos e seus senhores, na época da festa considerada pagã, invertiam os papéis: por um dia, eram os servos que mandavam.” “As pessoas comuns faziam missas e procissões cômicas no lugar dos padres, onde guiavam as cerimônias religiosas e personagens bizarros, como o Rei Momo. A ordem era tirar um sarro dos costumes da época dessas festas pagãs da Roma Antiga.” Prossegue o pesquisador: na maior parte da história do Brasil, o nosso carnaval foi uma algazarra deliciosamente sem noção. 

Sousa Mendes e a preservação de famílias judias e de outras nacionalidades no Holocausto Nazista

André Barcinski O diplomata português  Sousa Mendes Quando recebi o e-mail com o título “Informações importantes sobre sua família”, achei que era mais um daqueles spams picaretas.A mensagem vinha de uma fundação que tentava identificar parentes de vitimas de perseguição nazista que fugiram da Europa em 1940, ajudadas pelo diplomata português Aristides de Sousa Mendes. A carta que recebi, assinada por uma pesquisadora da Fundação Sousa Mendes, trazia informações detalhadas: “A família Barcinski foi ajudada por Sousa Mendes. Os nomes que aparecem na lista de vistos são Alicja, Jacek, Maria e Irena Barcinski, assim como Henryk Elsner, que, acreditamos, era parente de Irena (…)” A história era verdadeira. Alicja era minha bisavó. Irena era irmã dela. Henryk era pai delas, meu tataravô. Jacek e Maria, crianças na época, eram sobrinhos de Alicja e Irena. Ao longo dos anos, ouvi parentes contando histórias sobre a fuga da família para o Brasil, vinda da Polônia. Mas

"A China é uma grande prisão" afirma autor de "Deus é vermelho" em entrevista a Revista Época

LIBERDADE Liao Yiwu, em foto recente. O escritor fugiu da China e hoje vive na Alemanha. “Só agora me sinto livre” (Foto: Gordon Welters/The New York Times) Humberto Maia Júnior O jornalista Liao Yiwu, de 53 anos, gosta de pensar que está seguindo os passos de seu pai, um professor de literatura chinesa preso pelo governo comunista durante a Revolução Cultural, na década de 1960. “Ele foi punido por se dedicar a seu trabalho”, diz. Como seu pai, Liao foi para a prisão, em 1990. O crime do filho foi escrever um poema contra o governo chinês inspirado nos protestos na Praça da Paz Celestial. “Fui preso porque todos gostam de ler meus textos.” No ano passado, Liao fugiu para a Alemanha e conseguiu publicar Deus é vermelho – A história secreta de como o cristianismo sobreviveu e floresceu na China comunista, recém-lançado no Brasil pela editora Mundo Cristão. ÉPOCA – Quando o senhor decidiu escrever o livro? Liao Yiwu – Foi depois que conheci um médico cristão. Q