Pular para o conteúdo principal

Teologia, narrativa e expiação


Paulo Brabo

– Você pode comer livremente de todas as árvores do jardim – orienta o criador ao Homem que não foi criança, – mas [1] o fruto da árvore do conhecimento do bem e do mal você não deve comer. No dia em que comer dele [2] você certamente morrerá.

Pode ser necessário salientar que, em termos dramáticos, o enunciado da proibição (“nunca faça tal coisa”) é muitas vezes mais importante do que a ameaça complementar (“caso contrário tal coisa ocorrerá”). Para impulsionar a narrativa a proibição basta; a interdição já é conflito (isto é, atração) suficiente. Na maior parte das histórias, de Prometeu ao herói de Gremlins, o personagem só vai conhecer as consequências da sua transgressão depois de transgredir; ele ouvirá o “nunca faça tal coisa” sem ter verdadeira idéia do “caso contrário tal coisa ocorrerá”.

Deus, no entanto, oferece ao Homem a essencial proibição [1] juntamente com a não essencial explanação complementar [2]. O que implica Adão conhecer previamente o resultado da sua transgressão? Não seria suficiente a austera proibição?

De tudo que poderia ser dito sobre o assunto, e não é pouco, deve bastar o seguinte: a narrativa não existe para o protagonista, existe para o leitor.

E o leitor, incrivelmente, somos eu e você.

Nessa história a tensão inerente ao conflito é reforçada porque sabemos muito mais do que Adão jamais saberá; do nosso lugar na janela indiscreta vemos uma ameaça que Adão não pode ver, e esse prenúncio de tragédia aparece na história para nos tocar, não a ele. Adão talvez não saiba o que é morrer. Ele provavelmente não terá ferramentas para entender o conceito mesmo que lhe tenha sido explicado, mas – aqui está o ponto – nós temos.

Não apenas isso: como a narrativa existe para o leitor, a explanação “quando comer dele você morrerá” está ali para que saibamos sem sombra de dúvida que o propósito da história é explicar como num mundo perfeito a morte acabou encontrando o Homem.

A questão essencial, naturalmente, está em determinar se a morte é punição pela transgressão ou mera consequência dela. Para a teologia a morte é punição pela transgressão, pelo que a teologia é obcecada com a idéia da expiação do pecado. Para a narrativa, que não emite juízo, a morte é consequência mecânica da transgressão, não sua inevitável recompensa moral. Um interruptor foi lamentavelmente acionado, com resultados terríveis para todos os envolvidos. Haverá como consertar a situação e recuperar em alguma medida a honra dos protagonistas?

A teologia é obcecada com a expiação do pecado, mas a narrativa é obcecada com a expiação do pecador.

A Bíblia é narrativa.

Comentários

  1. Olá, ficou ótima a nova aparencia do blog. Vim ver as novidades. Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, pois é mensalmente troco as cores do blog, mas o template é o mesmo. Obrigado pela visita!

      Excluir
  2. Sidnei

    Muito boa a explanação do tema.
    Infelizmente hoje somos rodeados de informações para não cairmos, mas quantos ainda continuam a comer frutos proibidos.
    Também sou aprendiz da Palavra e vez ou outra coloco minhas palavras nas "narrativas" que a Bíblia nos aponta.
    http://momentodeler.blogspot.com.br/2011/10/queda-do-homem.html
    Gostei por demais deste espaço. Estou a te seguir e sempre estarei por aqui.
    Um abraço e até mais

    ResponderExcluir

Postar um comentário

COMENTÁRIOS ANÔNIMOS NÃO SERÃO POSTADOS!

Postagens mais visitadas deste blog

Ex-genro de David Miranda contará em livro porquê deixou a Igreja Deus é Amor

SERGIO SORA ANUNCIOU EM SEU PERFIL NO FACEBOOK QUE PUBLICARÁ LIVRO  SOBRE SUA SAÍDA DA IGREJA PENTECOSTAL DEUS É AMOR. SEGUNDO ELE, O LIVRO REVELARÁ "COISAS QUE ESTÃO OCULTAS AOS OLHOS DE MUITOS" E  ESTARÁ DISPONÍVEL EM ATÉ SEIS MESES.
Apontado até então como sucessor e herdeiro natural do trono de David Miranda, de seu púlpito blindado no maior templo evangélico da America do Sul no centro de São Paulo, e de mais de 9 mil igrejas o então presbítero Sergio Sora casado com a cantora Leia Miranda (filha mais nova de David Miranda) foi desligado da Igreja Deus é Amor  em 2005 por acusações de exigir a renúncia de David Miranda da presidência da igreja e por tê-lo submetido a cárcere privado e violência. Sora nega as acusações. Nas últimas semanas em sua página no Facebook Sora divulgou a informação de que decidiu publicar em um livro os principais motivos que o levaram a se desligar da igreja há seis anos, presidida por seu ex-sogro e em que por mais de vinte anos ocupou a funçã…

O Bocado Molhado - o apelo final de Cristo à Judas Iscariotes

Queriote, localidade de Moabe (Jr 48.24), a pouco mais de vinte e dois quilômetros ao sul de Hebrom, e a vinte e cinco quilô­metros a oeste do mar Morto, era uma cidade como outra qual­quer, não fosse a referência a um de seus filhos — Judas Iscariotes, no hebraico Ish-Querioth, "Homem de Queriote". Escolhido para o colégio apostólico, Judas tinha nas mãos as mais inacreditáveis oportunidades; afinal de contas, Jesus o havia escolhido para um elevado ofício: cuidar das finanças do grupo apostólico. Certamen­te possuía características que justificassem sua escolha. 
Seguindo as pegadas de Judas durante o ministério público de Jesus, podemos delinear o perfil deste, que será lembrado por toda a história como o "traidor". Suas atitudes gananciosas revelam profundas feridas, veias maléficas que o acompa­nharam durante toda a vida. Judas era o único dos discípulos de Jesus que não provinha da Galiléia; era de Queriote, Judéia. Os habitantes da Judéia desprezavam os nat…

Vereadores aprovam regulamentação do UBER em São Carlos

CÂMARA APROVA REGULAMENTAÇÃO DO UBER EM SÃO CARLOS

Por Sidnei Moura

Após acordo com motoristas de aplicativos realizado na tarde de ontem, vereadores aprovaram na sessão de hoje projeto de lei que regulamenta os serviços de transportes por aplicativos como UBER, 99 e 4Move, que já operam na cidade.

Na minha concepção, a manutenção do exame toxicológico anual e a exigência de que o uso de carros de terceiros aconteça apenas quando houver parentesco de até 3° grau do motorista com o proprietário foi um retrocesso, pois poderá diminuir a oferta do serviço na cidade (a margem de ganho do motorista é baixa, e o preço do exame é alto). Além disso, a manutenção da cobrança da TGO poderá ser questionada na justiça que, concedendo liminar às operadoras, poderá travar o processo de regulamentação na cidade, ou na pior das hipóteses poderá provocar o fechamento do sinal do aplicativo na cidade caso caia drasticamente a receita, levando as operadoras a desistirem de operar em nosso município.

O p…