Pular para o conteúdo principal

Verdades e mitos sobre a páscoa


Augustus Nicodemus Lopes

Nesta época do ano celebra-se a Páscoa em toda a cristandade, ocasião que só perde em popularidade para o Natal. Apesar disto, há muitas concepções errôneas e equivocadas sobre a data.

A Páscoa é uma festa judaica. Seu nome, “páscoa”, vem da palavra hebraica pessach que significa “passar por cima”, uma referência ao episódio da Décima Praga narrado no Antigo Testamento quando o anjo da morte “passou por cima” das casas dos judeus no Egito e não entrou em nenhuma delas para matar os primogênitos. A razão foi que os israelitas haviam sacrificado um cordeiro, por ordem de Moisés, e espargido o sangue dele nos umbrais e soleiras das portas. Ao ver o sangue, o anjo da morte “passou” aquela casa. Naquela mesma noite os judeus saíram livres do Egito, após mais de 400 anos de escravidão. Moisés então instituiu a festa da “páscoa” como memorial do evento. Nesta festa, que tornou-se a mais importante festa anual dos judeus, sacrificava-se um cordeiro que era comido com ervas amargas e pães sem fermento.

Jesus Cristo foi traído, preso e morto durante a celebração de uma delas em Jerusalém. Sua ressurreição ocorreu no domingo de manhã cedo, após o sábado pascoal. Como sua morte quase que certamente aconteceu na sexta-feira (há quem defenda a quarta-feira), a “sexta da paixão” entrou no calendário litúrgico cristão durante a idade média como dia santo.

Na quinta-feira à noite, antes de ser traído, enquanto Jesus, como todos os demais judeus, comia o cordeiro pascoal com seus discípulos em Jerusalém, determinou que os discípulos passassem a comer, não mais a páscoa, mas a comer pão e tomar vinho em memória dele. Estes elementos simbolizavam seu corpo e seu sangue que seriam dados pelos pecados de muitos – uma referência antecipada à sua morte na cruz.

Portanto, cristãos não celebram a páscoa, que é uma festa judaica. Para nós, era simbólica do sacrifício de Jesus, o cordeiro de Deus, cujo sangue impede que o anjo da morte nos destrua eternamente. Os cristãos comem pão e bebem vinho em memória de Cristo, e isto não somente nesta época do ano, mas durante o ano todo.

A Páscoa, também, não é dia santo para nós. Para os cristãos há apenas um dia que poderia ser chamado de santo – o domingo, pois foi num domingo que Jesus ressuscitou de entre os mortos. O foco dos eventos acontecidos com Jesus durante a semana da Páscoa em Jerusalém é sua ressurreição no domingo de manhã. Se ele não tivesse ressuscitado sua morte teria sido em vão. Seu resgate de entre os mortos comprova que Ele era o Filho de Deus e que sua morte tem poder para perdoar os pecados dos que nele creem.

Por fim, coelhos, ovos e outros apetrechos populares foram acrescentados ao evento da Páscoa pela crendice e superstição populares. Nada têm a ver com o significado da Páscoa judaica e nem da ceia do Senhor celebrada pelos cristãos.

Em termos práticos, os cristãos podem tomar as seguintes atitudes para com as celebrações da Páscoa tão populares em nosso país: (1) rejeitá-las completamente, por causa dos erros, equívocos, superstições e mercantilismo que contaminaram a ocasião; (2) aceitá-las normalmente como parte da cultura brasileira; (3) usar a ocasião para redimir o verdadeiro sentido da Páscoa. 

Eu opto por esta última.

Comentários

  1. Feliz páscoa meu amigo! Marcando presença!

    ResponderExcluir
  2. Ótima aparencia do blog sidnei. E o afiliados buscape que voce colocou é ótimo. Uso desde 2008 e tem trazido retorno razoavel todos os meses. Abraço!

    ResponderExcluir
  3. Ótima postagem amigo... Na verdade, como esta na biblía Jesus nem pediu para que lembrassem de seu nascimento (que por sinal não foi no dia que 'cai' a páscoa segundo o antigo
    calendário judáico) ele pediu para que lembrassem de sua morte... (1 Cor 11:24,25)veja mais aqui > ( http://pt.wikipedia.org/wiki/Comemora%C3%A7%C3%A3o_da_Morte_de_Cristo )

    Abraço... A equipe, Kiil Informática

    ResponderExcluir

Postar um comentário

COMENTÁRIOS ANÔNIMOS NÃO SERÃO POSTADOS!

Postagens mais visitadas deste blog

Ex-genro de David Miranda contará em livro porquê deixou a Igreja Deus é Amor

SERGIO SORA ANUNCIOU EM SEU PERFIL NO FACEBOOK QUE PUBLICARÁ LIVRO  SOBRE SUA SAÍDA DA IGREJA PENTECOSTAL DEUS É AMOR. SEGUNDO ELE, O LIVRO REVELARÁ "COISAS QUE ESTÃO OCULTAS AOS OLHOS DE MUITOS" E  ESTARÁ DISPONÍVEL EM ATÉ SEIS MESES. Sergio Sora em sua igreja no RJ Apontado até então como sucessor e herdeiro natural do trono de David Miranda, de seu púlpito blindado no maior templo evangélico da America do Sul no centro de São Paulo, e de mais de 9 mil igrejas o então presbítero Sergio Sora casado com a cantora Leia Miranda (filha mais nova de David Miranda) foi desligado da Igreja Deus é Amor  em 2005 por acusações de exigir a renúncia de David Miranda da presidência da igreja e por tê-lo submetido a cárcere privado e violência. Sora nega as acusações. Nas últimas semanas em sua página no Facebook Sora divulgou a informação de que decidiu publicar em um livro os principais motivos que o levaram a se desligar da igreja há seis anos, presidida por seu ex-sogro e

Igreja Deus é Amor proíbe “retetés” e outras práticas não ortodoxas em seus cultos

Fundada em 1962, a igreja Pentecostal Deus é Amor do Missionário David Miranda é hoje uma das maiores denominações evangélicas do país. Oriunda dos movimentos de cura divina da segunda safra do pentecostalismo brasileiro, a igreja Deus é amor chega ao limiar de seu jubileu de ouro mantendo as características que a tornaram conhecida: seu modelo de liderança centralizado em uma única pessoa (seu fundador e presidente vitalício); a extrema valorização dos usos e costumes (cujas proibições se estendem a todas as áreas da vida de seus fieis, incluindo a proibição de visitar ou participar de eventos em outras denominações); o forte uso do rádio como instrumento midiático de suporte as atividades desenvolvidas pela igreja (“império” este que agora ameaça ruir diante de recorrentes escândalos envolvendo “laranjas” e novas políticas de concessão de serviços de radiodifusão do governo federal) e a falta de compromisso com o ensino bíblico e teológico formal e sistemático, o que a difere da

Resultado final da eleição do Conselho Tutelar é publicado no Diário Oficial

Foi publicado no Diário Oficial do município de São Carlos no dia 22 de outubro o resultado final da eleição para o Conselho Tutelar. Como já era do conhecimento de todos vocês, fui eleito com 209 votos, e aguardava muito por esse momento para comemorar e agradecer o apoio e cada um dos 209 votos que recebi em todas as regiões da nossa cidade. Os próximos passos serão a homologação da eleição pelo Ministério Público, formação dos conselheiros eleitos em um treinamento de capacitação e a cerimônia de posse no dia 10 de janeiro de 2020.