Pular para o conteúdo principal

Demagogia e políticas públicas de educação



Sidnei Moura

Observei  com bastante curiosidade o descontentamento de alguns petistas ao lerem na Folha desta segunda (8 de dezembro) entrevista do secretário municipal de educação de São Paulo afirmando que, embora o município tenha tomado no final do ano passado a decisão de suspender a progressão continuada de alguns anos no ensino fundamental, nem todos os alunos que apresentaram desempenho negativo durante o ano letivo de 2014 serão reprovados. Enquanto observava, lembrei-me do processo eleitoral deste ano em que o candidato petista Alexandre Padilha (que amargou o terceiro lugar entre os eleitores na corrida ao governo do estado) repetia com veemência que, uma de suas principais ações imediatas caso fosse eleito seria a revogação da progressão continuada nas escolas da rede estadual de São Paulo. Mesmo não suportando tanta demagogia, enquanto assistia ao programa eleitoral petista muitas vezes cai em gargalhadas com o discurso inflamado de Padilha, para quem a progressão continuada era o pior de todos os males da educação no país. 

Quem convive com a realidade de se ensinar na rede pública, seja ela da esfera municipal ou estadual, sabe que a progressão continuada é apenas um dos muitos problemas do sistema, e que centralizar o discurso de mudança em cima dele não passa de demagogia barata. O secretário de educação do município de São Paulo chegou a essa conclusão porque deve ter percebido que o sistema precisa de uma série de reformas que, com o passar dos anos não foram feitas de forma adequada, e que hoje o sistema está inchado, o que exige que outras medidas, ainda que paliativas, precisem ser feitas. 

O descaso com a educação que transformou a escola pública brasileira em uma das mais deficitárias do mundo não se resolverá como em um passe de mágica como propunha Padilha e Haddad, mas com reformas profundas que outorguem às famílias por meio da conscientização e responsabilização a participação na vida escolar de seus filhos, que prepare melhor e dignifique a carreira do magistério e ofereça condições para que o aluno aprenda de fato, bem como a mudança de paradigmas dos programas sociais que ainda persistem em não prever a inserção e inclusão por meio da aquisição real do conhecimento e bom desempenho escolar, mas apenas pela frequência. 

A progressão continuada continuará sendo um problema sério para a educação enquanto continuar a ser administrada da maneira como vem sendo feito, e a demagogia barata e oportunista não será o instrumento adequado para combatê-lo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ex-genro de David Miranda contará em livro porquê deixou a Igreja Deus é Amor

SERGIO SORA ANUNCIOU EM SEU PERFIL NO FACEBOOK QUE PUBLICARÁ LIVRO  SOBRE SUA SAÍDA DA IGREJA PENTECOSTAL DEUS É AMOR. SEGUNDO ELE, O LIVRO REVELARÁ "COISAS QUE ESTÃO OCULTAS AOS OLHOS DE MUITOS" E  ESTARÁ DISPONÍVEL EM ATÉ SEIS MESES. Sergio Sora em sua igreja no RJ Apontado até então como sucessor e herdeiro natural do trono de David Miranda, de seu púlpito blindado no maior templo evangélico da America do Sul no centro de São Paulo, e de mais de 9 mil igrejas o então presbítero Sergio Sora casado com a cantora Leia Miranda (filha mais nova de David Miranda) foi desligado da Igreja Deus é Amor  em 2005 por acusações de exigir a renúncia de David Miranda da presidência da igreja e por tê-lo submetido a cárcere privado e violência. Sora nega as acusações. Nas últimas semanas em sua página no Facebook Sora divulgou a informação de que decidiu publicar em um livro os principais motivos que o levaram a se desligar da igreja há seis anos, presidida por seu ex-sogro e

Igreja Deus é Amor proíbe “retetés” e outras práticas não ortodoxas em seus cultos

Fundada em 1962, a igreja Pentecostal Deus é Amor do Missionário David Miranda é hoje uma das maiores denominações evangélicas do país. Oriunda dos movimentos de cura divina da segunda safra do pentecostalismo brasileiro, a igreja Deus é amor chega ao limiar de seu jubileu de ouro mantendo as características que a tornaram conhecida: seu modelo de liderança centralizado em uma única pessoa (seu fundador e presidente vitalício); a extrema valorização dos usos e costumes (cujas proibições se estendem a todas as áreas da vida de seus fieis, incluindo a proibição de visitar ou participar de eventos em outras denominações); o forte uso do rádio como instrumento midiático de suporte as atividades desenvolvidas pela igreja (“império” este que agora ameaça ruir diante de recorrentes escândalos envolvendo “laranjas” e novas políticas de concessão de serviços de radiodifusão do governo federal) e a falta de compromisso com o ensino bíblico e teológico formal e sistemático, o que a difere da

Anatomia da Divisão : Os ex-obreiros da Igreja Deus é Amor, as divisões e a fundação de novas igrejas (Parte 1)

Fachada da Sede Mundial da IPDA em São Paulo Sidnei Moura De acordo com os resultados do Censo 2010 divulgados pelo IBGE, a Igreja Pentecostal Deus é Amor, fundada pelo autodenominado missionário David Martins Miranda, chegou ao seu Jubileu de ouro apresentando uma significativa retração no número de fieis. Se comparada a outras denominações que fizeram do discurso milagreiro seu carro-chefe, a IPDA foi a única a apresentar diminuição no número de congregados, diferente de outras denominações como a Igreja Universal do Reino de Deus, a Igreja Internacional da Graça de Deus, a Igreja Renascer em Cristo e a mais recente denominação milagreira – a Igreja Mundial do Poder de Deus, que ao contrário, aumentaram seu número de filiais, de congregados e de efetiva exposição nos meios de comunicação de massa. Conhecida pela valorização exacerbada dos usos e costumes como doutrina primaz, e de sua ênfase em milagres (que lhe rendeu fama e crescimento vertiginoso nos anos 80 e 90 devi