Pular para o conteúdo principal

Demagogia e políticas públicas de educação



Sidnei Moura

Observei  com bastante curiosidade o descontentamento de alguns petistas ao lerem na Folha desta segunda (8 de dezembro) entrevista do secretário municipal de educação de São Paulo afirmando que, embora o município tenha tomado no final do ano passado a decisão de suspender a progressão continuada de alguns anos no ensino fundamental, nem todos os alunos que apresentaram desempenho negativo durante o ano letivo de 2014 serão reprovados. Enquanto observava, lembrei-me do processo eleitoral deste ano em que o candidato petista Alexandre Padilha (que amargou o terceiro lugar entre os eleitores na corrida ao governo do estado) repetia com veemência que, uma de suas principais ações imediatas caso fosse eleito seria a revogação da progressão continuada nas escolas da rede estadual de São Paulo. Mesmo não suportando tanta demagogia, enquanto assistia ao programa eleitoral petista muitas vezes cai em gargalhadas com o discurso inflamado de Padilha, para quem a progressão continuada era o pior de todos os males da educação no país. 

Quem convive com a realidade de se ensinar na rede pública, seja ela da esfera municipal ou estadual, sabe que a progressão continuada é apenas um dos muitos problemas do sistema, e que centralizar o discurso de mudança em cima dele não passa de demagogia barata. O secretário de educação do município de São Paulo chegou a essa conclusão porque deve ter percebido que o sistema precisa de uma série de reformas que, com o passar dos anos não foram feitas de forma adequada, e que hoje o sistema está inchado, o que exige que outras medidas, ainda que paliativas, precisem ser feitas. 

O descaso com a educação que transformou a escola pública brasileira em uma das mais deficitárias do mundo não se resolverá como em um passe de mágica como propunha Padilha e Haddad, mas com reformas profundas que outorguem às famílias por meio da conscientização e responsabilização a participação na vida escolar de seus filhos, que prepare melhor e dignifique a carreira do magistério e ofereça condições para que o aluno aprenda de fato, bem como a mudança de paradigmas dos programas sociais que ainda persistem em não prever a inserção e inclusão por meio da aquisição real do conhecimento e bom desempenho escolar, mas apenas pela frequência. 

A progressão continuada continuará sendo um problema sério para a educação enquanto continuar a ser administrada da maneira como vem sendo feito, e a demagogia barata e oportunista não será o instrumento adequado para combatê-lo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ex-genro de David Miranda contará em livro porquê deixou a Igreja Deus é Amor

SERGIO SORA ANUNCIOU EM SEU PERFIL NO FACEBOOK QUE PUBLICARÁ LIVRO  SOBRE SUA SAÍDA DA IGREJA PENTECOSTAL DEUS É AMOR. SEGUNDO ELE, O LIVRO REVELARÁ "COISAS QUE ESTÃO OCULTAS AOS OLHOS DE MUITOS" E  ESTARÁ DISPONÍVEL EM ATÉ SEIS MESES.
Apontado até então como sucessor e herdeiro natural do trono de David Miranda, de seu púlpito blindado no maior templo evangélico da America do Sul no centro de São Paulo, e de mais de 9 mil igrejas o então presbítero Sergio Sora casado com a cantora Leia Miranda (filha mais nova de David Miranda) foi desligado da Igreja Deus é Amor  em 2005 por acusações de exigir a renúncia de David Miranda da presidência da igreja e por tê-lo submetido a cárcere privado e violência. Sora nega as acusações. Nas últimas semanas em sua página no Facebook Sora divulgou a informação de que decidiu publicar em um livro os principais motivos que o levaram a se desligar da igreja há seis anos, presidida por seu ex-sogro e em que por mais de vinte anos ocupou a funçã…

O Bocado Molhado - o apelo final de Cristo à Judas Iscariotes

Queriote, localidade de Moabe (Jr 48.24), a pouco mais de vinte e dois quilômetros ao sul de Hebrom, e a vinte e cinco quilô­metros a oeste do mar Morto, era uma cidade como outra qual­quer, não fosse a referência a um de seus filhos — Judas Iscariotes, no hebraico Ish-Querioth, "Homem de Queriote". Escolhido para o colégio apostólico, Judas tinha nas mãos as mais inacreditáveis oportunidades; afinal de contas, Jesus o havia escolhido para um elevado ofício: cuidar das finanças do grupo apostólico. Certamen­te possuía características que justificassem sua escolha. 
Seguindo as pegadas de Judas durante o ministério público de Jesus, podemos delinear o perfil deste, que será lembrado por toda a história como o "traidor". Suas atitudes gananciosas revelam profundas feridas, veias maléficas que o acompa­nharam durante toda a vida. Judas era o único dos discípulos de Jesus que não provinha da Galiléia; era de Queriote, Judéia. Os habitantes da Judéia desprezavam os nat…

É possível experimentar uma realidade de falência do humanismo?

Por Sidnei Moura

Assisti ontem ao último episódio da terceira temporada da série "The man in the righ castel" (O homem do castelo alto), série baseada no livro de mesmo nome do escritor norte-americano Philip K. Dick (que eu também fiz questão de adquirir 😁), e adaptado pela Amazon Prime Vídeo, aplicativo concorrente da Netflix.

Na série, a narrativa ficcional parte do principio de que o nazismo venceu, ao lado dos japoneses, a segunda guerra mundial, e assim passou a subjugar o mundo todo. A partir dai, o território dos Estados Unidos foi dividido em três partes: a maior, com capital em Nova Yorque, tornou-se o Grande Reich Nazista americano; no meio, a chamada Zona Neutra, onde não há lei nem governo, e a oeste o chamado Estados Japoneses do Pacífico, com sede em São Francisco, subordinado ao Japão.

Na narrativa entremeada de traições, golpes, dramas e romances, a série apresenta de forma nua e crua a face mais terrível do nazismo: o estabelecimento de uma politica de est…