Pular para o conteúdo principal

Charlie Hebdo: sátiras de religião, terrorismo, preconceito e covardia moral

Nova capa do semanário Charlie Hebdo traz Maomé chorando

"As religiões, como todas as outras ideias, merecem críticas, sátiras e, sim, nossa falta de respeito e medo. Este totalitarismo religioso provocou uma mutação mortal no coração do Islã cujas consequências se viu hoje [ontem] em Paris. Estou com Charlie Hebdo, como todos temos de estar para defender esta arte da sátira, que sempre foi um motor da liberdade e contra a tirania, a desonestidade e a estupidez" 

Salman Rushdie

"Há precisamente 26 anos, o aiatolá Ruhollah Khomeini, sem ler "Os Versos Satânicos" de Salman Rushdie, condenou o escritor à morte por ofensas ao Profeta e ofereceu US$ 1,5 milhão a quem executasse o serviço. Khomeini está morto, Rushdie está vivo e os otimistas afirmam que, na luta entre a escuridão e a luz, a luz acabou por vencer. Os otimistas estão errados. Para começar, a "fatwa" de Khomeini continua válida sobre a cabeça de Rushdie. E, depois, mesmo em 1989 não faltaram escritores ocidentais que, entre a escuridão e a luz, optaram pelas trevas. Passaram-se 26 anos, sim. Mas, esteja lá onde estiver, o aitolá Khomeini pode olhar cá para baixo e sentir-se orgulhoso com a descendência que deixou. O clima de medo que ele inaugurou contra Rushdie acabou por derrotar a coragem e a razão do Ocidente. [...] Mas o Ocidente chegou a um tal ponto de covardia moral e miséria intelectual que qualquer crítica sobre o Outro será sempre um "preconceito" —e, pior que isso, um crime. Melhor não dizer nada." 

João Pereira Coutinho

"É óbvio que não existe uma relação necessária entre Islã e terrorismo. É óbvio que bilhões de muçulmanos só querem viver em paz. É óbvio que transformar uma religião inteira em antro de malignidade é uma expressão de racismo. Mas também deveria ser óbvio [...] duas ou três ideias que até uma criança entende sem esforço. A primeira é que a relação entre Islã e terrorismo não é feita pelos ocidentais. Ela começa por ser estabelecida pelos próprios terroristas – aqueles que afirmam matar em nome do Profeta. Isso pode ser injusto para a religião islâmica. Mas a injustiça da identificação é cometida pelos próprios terroristas muçulmanos. Constatar esse fato não é uma forma de "islamofobia". É simplesmente constatar um fato." 

João Pereira Coutinho

*Os trechos acima foram extraidos do jornal Folha de S.Paulo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ex-genro de David Miranda contará em livro porquê deixou a Igreja Deus é Amor

SERGIO SORA ANUNCIOU EM SEU PERFIL NO FACEBOOK QUE PUBLICARÁ LIVRO  SOBRE SUA SAÍDA DA IGREJA PENTECOSTAL DEUS É AMOR. SEGUNDO ELE, O LIVRO REVELARÁ "COISAS QUE ESTÃO OCULTAS AOS OLHOS DE MUITOS" E  ESTARÁ DISPONÍVEL EM ATÉ SEIS MESES. Sergio Sora em sua igreja no RJ Apontado até então como sucessor e herdeiro natural do trono de David Miranda, de seu púlpito blindado no maior templo evangélico da America do Sul no centro de São Paulo, e de mais de 9 mil igrejas o então presbítero Sergio Sora casado com a cantora Leia Miranda (filha mais nova de David Miranda) foi desligado da Igreja Deus é Amor  em 2005 por acusações de exigir a renúncia de David Miranda da presidência da igreja e por tê-lo submetido a cárcere privado e violência. Sora nega as acusações. Nas últimas semanas em sua página no Facebook Sora divulgou a informação de que decidiu publicar em um livro os principais motivos que o levaram a se desligar da igreja há seis anos, presidida por seu ex-sogro e

Igreja Deus é Amor proíbe “retetés” e outras práticas não ortodoxas em seus cultos

Fundada em 1962, a igreja Pentecostal Deus é Amor do Missionário David Miranda é hoje uma das maiores denominações evangélicas do país. Oriunda dos movimentos de cura divina da segunda safra do pentecostalismo brasileiro, a igreja Deus é amor chega ao limiar de seu jubileu de ouro mantendo as características que a tornaram conhecida: seu modelo de liderança centralizado em uma única pessoa (seu fundador e presidente vitalício); a extrema valorização dos usos e costumes (cujas proibições se estendem a todas as áreas da vida de seus fieis, incluindo a proibição de visitar ou participar de eventos em outras denominações); o forte uso do rádio como instrumento midiático de suporte as atividades desenvolvidas pela igreja (“império” este que agora ameaça ruir diante de recorrentes escândalos envolvendo “laranjas” e novas políticas de concessão de serviços de radiodifusão do governo federal) e a falta de compromisso com o ensino bíblico e teológico formal e sistemático, o que a difere da

Anatomia da Divisão : Os ex-obreiros da Igreja Deus é Amor, as divisões e a fundação de novas igrejas (Parte 1)

Fachada da Sede Mundial da IPDA em São Paulo Sidnei Moura De acordo com os resultados do Censo 2010 divulgados pelo IBGE, a Igreja Pentecostal Deus é Amor, fundada pelo autodenominado missionário David Martins Miranda, chegou ao seu Jubileu de ouro apresentando uma significativa retração no número de fieis. Se comparada a outras denominações que fizeram do discurso milagreiro seu carro-chefe, a IPDA foi a única a apresentar diminuição no número de congregados, diferente de outras denominações como a Igreja Universal do Reino de Deus, a Igreja Internacional da Graça de Deus, a Igreja Renascer em Cristo e a mais recente denominação milagreira – a Igreja Mundial do Poder de Deus, que ao contrário, aumentaram seu número de filiais, de congregados e de efetiva exposição nos meios de comunicação de massa. Conhecida pela valorização exacerbada dos usos e costumes como doutrina primaz, e de sua ênfase em milagres (que lhe rendeu fama e crescimento vertiginoso nos anos 80 e 90 devi