Pular para o conteúdo principal

A crise dos imigrantes venezuelanos em Roraima: uma tragédia anunciada





Rodrigo da Silva

A crise em Roraima é, sem dúvida alguma, uma tragédia.

Mas não dessas que pegam a gente de surpresa. Não há nada acontecendo nesse momento que possa causar espanto em quem quer que seja.

Nos últimos anos, não foram raras as vezes em que conservadores e liberais denunciaram as graves violações aos direitos humanos provocadas pelo governo venezuelano, muitas vezes com reações de escárnio por parte de seus opositores - alguns deles escondidos na própria imprensa.

Tudo sempre pode ser resumido a mero "exagero de direita", "propaganda anticomunista" e "macartismo barato".

Pois bem. É preciso que ninguém se esqueça: esta é uma tragédia anunciada. E cheia de culpados.

Maduro foi adotado por lideranças e instituições políticas brasileiras muito tempo depois que esta estrada já havia sido pavimentada.

Foi abraçado por Lula e Dilma. Apoiado por Boulos e Manuela d'Ávila. Referendado por PT, PCdoB e PSOL.

Enquanto trinta milhões de venezuelanos encaram o hálito da morte, condenados ao martírio de uma ditadura, não foram poucos os brasileiros a ridicularizar quem ousou achincalhar seus algozes.

Agora você pode fazer cara de nojinho, achar que tudo não passa de papo de reaça, fingir que não tem nada a ver com isso. Pouco importa.

Tem gente morrendo tentando fugir de um país vizinho ao nosso, buscando escapar de ideias incompreensivelmente ainda populares por aqui. E não faltam lideranças políticas com o sangue deles nas mãos pedindo votos nessa eleição.

Se você se importa com o que acontece em Roraima nesse momento, se compadece do sofrimento daquelas famílias ilhadas em desespero, precisa admitir que também vive num beco sem saída. Não há outro caminho a seguir em outubro, ainda que tais candidatos agora finjam prometer o exato oposto: ou você condena nas urnas quem co-assina esta tragédia, ou assume de vez o papel de cúmplice.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ex-genro de David Miranda contará em livro porquê deixou a Igreja Deus é Amor

SERGIO SORA ANUNCIOU EM SEU PERFIL NO FACEBOOK QUE PUBLICARÁ LIVRO  SOBRE SUA SAÍDA DA IGREJA PENTECOSTAL DEUS É AMOR. SEGUNDO ELE, O LIVRO REVELARÁ "COISAS QUE ESTÃO OCULTAS AOS OLHOS DE MUITOS" E  ESTARÁ DISPONÍVEL EM ATÉ SEIS MESES.
Apontado até então como sucessor e herdeiro natural do trono de David Miranda, de seu púlpito blindado no maior templo evangélico da America do Sul no centro de São Paulo, e de mais de 9 mil igrejas o então presbítero Sergio Sora casado com a cantora Leia Miranda (filha mais nova de David Miranda) foi desligado da Igreja Deus é Amor  em 2005 por acusações de exigir a renúncia de David Miranda da presidência da igreja e por tê-lo submetido a cárcere privado e violência. Sora nega as acusações. Nas últimas semanas em sua página no Facebook Sora divulgou a informação de que decidiu publicar em um livro os principais motivos que o levaram a se desligar da igreja há seis anos, presidida por seu ex-sogro e em que por mais de vinte anos ocupou a funçã…

Centro de Cultura e de Artes de São Carlos oferece cursos gratuitos

O Centro Municipal de Arte e Cultura (Cemac) de São Carlos oferece 626 vagas para 23 cursos gratuitos voltados para todas as idades.

As vagas são divididas entre as áreas de teatro, circo, dança, samba rock, dança do ventre, desenho, aquarela, fotografia, percussão, gaita, violão, coro, produção de beats e mandalas.

Ao todo, são 32 turmas nos períodos da manhã, tarde e noite. Entre elas há opções para crianças a partir de 6 anos até adultos com mais de 45.

A programação completa pode ser consultada no site e as inscrições devem ser realizadas no Cemac, na Rua São Paulo, 745, no Centro.

As aulas serão ministradas a partir de 25 de março no Cemac, no Centros de Artes e Esportes Unificados “Emílio Manzano” e em Santa Eudóxia.

O telefone (16) 3419-8997 está disponível, das 8h30 às 11h30 e das 13h30 às 17h, para mais informações.

O Bocado Molhado - o apelo final de Cristo à Judas Iscariotes

Queriote, localidade de Moabe (Jr 48.24), a pouco mais de vinte e dois quilômetros ao sul de Hebrom, e a vinte e cinco quilô­metros a oeste do mar Morto, era uma cidade como outra qual­quer, não fosse a referência a um de seus filhos — Judas Iscariotes, no hebraico Ish-Querioth, "Homem de Queriote". Escolhido para o colégio apostólico, Judas tinha nas mãos as mais inacreditáveis oportunidades; afinal de contas, Jesus o havia escolhido para um elevado ofício: cuidar das finanças do grupo apostólico. Certamen­te possuía características que justificassem sua escolha. 
Seguindo as pegadas de Judas durante o ministério público de Jesus, podemos delinear o perfil deste, que será lembrado por toda a história como o "traidor". Suas atitudes gananciosas revelam profundas feridas, veias maléficas que o acompa­nharam durante toda a vida. Judas era o único dos discípulos de Jesus que não provinha da Galiléia; era de Queriote, Judéia. Os habitantes da Judéia desprezavam os nat…