Pular para o conteúdo principal

A crise dos imigrantes venezuelanos em Roraima: uma tragédia anunciada





Rodrigo da Silva

A crise em Roraima é, sem dúvida alguma, uma tragédia.

Mas não dessas que pegam a gente de surpresa. Não há nada acontecendo nesse momento que possa causar espanto em quem quer que seja.

Nos últimos anos, não foram raras as vezes em que conservadores e liberais denunciaram as graves violações aos direitos humanos provocadas pelo governo venezuelano, muitas vezes com reações de escárnio por parte de seus opositores - alguns deles escondidos na própria imprensa.

Tudo sempre pode ser resumido a mero "exagero de direita", "propaganda anticomunista" e "macartismo barato".

Pois bem. É preciso que ninguém se esqueça: esta é uma tragédia anunciada. E cheia de culpados.

Maduro foi adotado por lideranças e instituições políticas brasileiras muito tempo depois que esta estrada já havia sido pavimentada.

Foi abraçado por Lula e Dilma. Apoiado por Boulos e Manuela d'Ávila. Referendado por PT, PCdoB e PSOL.

Enquanto trinta milhões de venezuelanos encaram o hálito da morte, condenados ao martírio de uma ditadura, não foram poucos os brasileiros a ridicularizar quem ousou achincalhar seus algozes.

Agora você pode fazer cara de nojinho, achar que tudo não passa de papo de reaça, fingir que não tem nada a ver com isso. Pouco importa.

Tem gente morrendo tentando fugir de um país vizinho ao nosso, buscando escapar de ideias incompreensivelmente ainda populares por aqui. E não faltam lideranças políticas com o sangue deles nas mãos pedindo votos nessa eleição.

Se você se importa com o que acontece em Roraima nesse momento, se compadece do sofrimento daquelas famílias ilhadas em desespero, precisa admitir que também vive num beco sem saída. Não há outro caminho a seguir em outubro, ainda que tais candidatos agora finjam prometer o exato oposto: ou você condena nas urnas quem co-assina esta tragédia, ou assume de vez o papel de cúmplice.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ex-genro de David Miranda contará em livro porquê deixou a Igreja Deus é Amor

SERGIO SORA ANUNCIOU EM SEU PERFIL NO FACEBOOK QUE PUBLICARÁ LIVRO  SOBRE SUA SAÍDA DA IGREJA PENTECOSTAL DEUS É AMOR. SEGUNDO ELE, O LIVRO REVELARÁ "COISAS QUE ESTÃO OCULTAS AOS OLHOS DE MUITOS" E  ESTARÁ DISPONÍVEL EM ATÉ SEIS MESES. Sergio Sora em sua igreja no RJ Apontado até então como sucessor e herdeiro natural do trono de David Miranda, de seu púlpito blindado no maior templo evangélico da America do Sul no centro de São Paulo, e de mais de 9 mil igrejas o então presbítero Sergio Sora casado com a cantora Leia Miranda (filha mais nova de David Miranda) foi desligado da Igreja Deus é Amor  em 2005 por acusações de exigir a renúncia de David Miranda da presidência da igreja e por tê-lo submetido a cárcere privado e violência. Sora nega as acusações. Nas últimas semanas em sua página no Facebook Sora divulgou a informação de que decidiu publicar em um livro os principais motivos que o levaram a se desligar da igreja há seis anos, presidida por seu ex-sogro e

Igreja Deus é Amor proíbe “retetés” e outras práticas não ortodoxas em seus cultos

Fundada em 1962, a igreja Pentecostal Deus é Amor do Missionário David Miranda é hoje uma das maiores denominações evangélicas do país. Oriunda dos movimentos de cura divina da segunda safra do pentecostalismo brasileiro, a igreja Deus é amor chega ao limiar de seu jubileu de ouro mantendo as características que a tornaram conhecida: seu modelo de liderança centralizado em uma única pessoa (seu fundador e presidente vitalício); a extrema valorização dos usos e costumes (cujas proibições se estendem a todas as áreas da vida de seus fieis, incluindo a proibição de visitar ou participar de eventos em outras denominações); o forte uso do rádio como instrumento midiático de suporte as atividades desenvolvidas pela igreja (“império” este que agora ameaça ruir diante de recorrentes escândalos envolvendo “laranjas” e novas políticas de concessão de serviços de radiodifusão do governo federal) e a falta de compromisso com o ensino bíblico e teológico formal e sistemático, o que a difere da

Anatomia da Divisão : Os ex-obreiros da Igreja Deus é Amor, as divisões e a fundação de novas igrejas (Parte 1)

Fachada da Sede Mundial da IPDA em São Paulo Sidnei Moura De acordo com os resultados do Censo 2010 divulgados pelo IBGE, a Igreja Pentecostal Deus é Amor, fundada pelo autodenominado missionário David Martins Miranda, chegou ao seu Jubileu de ouro apresentando uma significativa retração no número de fieis. Se comparada a outras denominações que fizeram do discurso milagreiro seu carro-chefe, a IPDA foi a única a apresentar diminuição no número de congregados, diferente de outras denominações como a Igreja Universal do Reino de Deus, a Igreja Internacional da Graça de Deus, a Igreja Renascer em Cristo e a mais recente denominação milagreira – a Igreja Mundial do Poder de Deus, que ao contrário, aumentaram seu número de filiais, de congregados e de efetiva exposição nos meios de comunicação de massa. Conhecida pela valorização exacerbada dos usos e costumes como doutrina primaz, e de sua ênfase em milagres (que lhe rendeu fama e crescimento vertiginoso nos anos 80 e 90 devi