Pular para o conteúdo principal

Intersom Debates mente sobre UBER para confundir população

INTERSOM DEBATES DESCONHECE LEGISLAÇÃO SOBRE UBER E APOSTA EM INVERDADES SOBRE MOTORISTAS PARA CONFUNDIR A POPULAÇÃO



Por Sidnei Moura
Se já não bastassem os "atos falhos" vergonhosos do senhor 'Juquita' em edições anteriores do programa, e a realidade revelada recentemente sobre o montante de dinheiro público recebidos pela Intersom da Prefeitura, o Intersom Debates dessa segunda-feira quis discutir a regulamentação dos transportes por aplicativos como UBER de forma superficial, cometendo o erro de fazer afirmações mentirosas e descabidas sobre essa modalidade de transporte para confundir a população.

Durante o programa levado ao ar nessa segunda feira, os locutores André e Bill afirmaram que os motoristas da UBER atuam em uma modalidade de serviço "precarizada", demonstraram desconhecimento total em relação às exigências dos próprios aplicativos quanto ao tempo de fabricação máximo dos veículos cadastrados e da própria legislação Federal sancionada em Março desse ano pelo presidente Michel Temer (à qual as regulamentações municipais estão sujeitas) que exige do motorista habilitação profissional, inscrição no INSS e recolhimento de impostos.

Como se não bastasse tanta desinformação, sugeriram explicitamente que o serviço não possui condições de segurança e credibilidade com a alegação de que "qualquer um pode entrar" e chegaram a culpar os motoristas e a essa modalidade de transporte pela  dificuldade temporária da clientela, que devido a novidade do serviço ainda está se adaptando aos traquejos do aplicativo em relação a origem e destinos das corridas, como também demonstraram desconhecer completamente o sistema de registro de trajetos percorridos pelos motoristas em cada corrida. As alegações só não foram piores porque um dos debatentes do programa, o ex-diretor do SAAE Eduardo Cotrim se posicionou de forma sensata sobre o assunto.

O bom jornalismo, aquele que na ausência de conhecimento específico de um tema se aconselha com representantes ou especialistas consultando fontes antes de formar opinião, está se tornando coisa rara em alguns dos principais veículos de comunicação de nossa cidade, e graças  ao reconhecimento do público está perdendo audiência, apesar do alto cachê pago com dinheiro público para bajular os poderosos.

Na véspera da votação da regulamentação, o programa oferece um desserviço a discussão desse tema tão importante com as inverdades alegadas. O que nos anima é o fato inequívoco da aprovação popular a essa modalidade de serviço em nossa cidade, que por sua vez incomoda os poderosos na mídia, na política e nas demais modalidades de transporte que sempre lutaram contra o progresso é o desenvolvimento dos meios de transporte na capital da tecnologia.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ex-genro de David Miranda contará em livro porquê deixou a Igreja Deus é Amor

SERGIO SORA ANUNCIOU EM SEU PERFIL NO FACEBOOK QUE PUBLICARÁ LIVRO  SOBRE SUA SAÍDA DA IGREJA PENTECOSTAL DEUS É AMOR. SEGUNDO ELE, O LIVRO REVELARÁ "COISAS QUE ESTÃO OCULTAS AOS OLHOS DE MUITOS" E  ESTARÁ DISPONÍVEL EM ATÉ SEIS MESES. Sergio Sora em sua igreja no RJ Apontado até então como sucessor e herdeiro natural do trono de David Miranda, de seu púlpito blindado no maior templo evangélico da America do Sul no centro de São Paulo, e de mais de 9 mil igrejas o então presbítero Sergio Sora casado com a cantora Leia Miranda (filha mais nova de David Miranda) foi desligado da Igreja Deus é Amor  em 2005 por acusações de exigir a renúncia de David Miranda da presidência da igreja e por tê-lo submetido a cárcere privado e violência. Sora nega as acusações. Nas últimas semanas em sua página no Facebook Sora divulgou a informação de que decidiu publicar em um livro os principais motivos que o levaram a se desligar da igreja há seis anos, presidida por seu ex-sogro e

Igreja Deus é Amor proíbe “retetés” e outras práticas não ortodoxas em seus cultos

Fundada em 1962, a igreja Pentecostal Deus é Amor do Missionário David Miranda é hoje uma das maiores denominações evangélicas do país. Oriunda dos movimentos de cura divina da segunda safra do pentecostalismo brasileiro, a igreja Deus é amor chega ao limiar de seu jubileu de ouro mantendo as características que a tornaram conhecida: seu modelo de liderança centralizado em uma única pessoa (seu fundador e presidente vitalício); a extrema valorização dos usos e costumes (cujas proibições se estendem a todas as áreas da vida de seus fieis, incluindo a proibição de visitar ou participar de eventos em outras denominações); o forte uso do rádio como instrumento midiático de suporte as atividades desenvolvidas pela igreja (“império” este que agora ameaça ruir diante de recorrentes escândalos envolvendo “laranjas” e novas políticas de concessão de serviços de radiodifusão do governo federal) e a falta de compromisso com o ensino bíblico e teológico formal e sistemático, o que a difere da

Anatomia da Divisão : Os ex-obreiros da Igreja Deus é Amor, as divisões e a fundação de novas igrejas (Parte 1)

Fachada da Sede Mundial da IPDA em São Paulo Sidnei Moura De acordo com os resultados do Censo 2010 divulgados pelo IBGE, a Igreja Pentecostal Deus é Amor, fundada pelo autodenominado missionário David Martins Miranda, chegou ao seu Jubileu de ouro apresentando uma significativa retração no número de fieis. Se comparada a outras denominações que fizeram do discurso milagreiro seu carro-chefe, a IPDA foi a única a apresentar diminuição no número de congregados, diferente de outras denominações como a Igreja Universal do Reino de Deus, a Igreja Internacional da Graça de Deus, a Igreja Renascer em Cristo e a mais recente denominação milagreira – a Igreja Mundial do Poder de Deus, que ao contrário, aumentaram seu número de filiais, de congregados e de efetiva exposição nos meios de comunicação de massa. Conhecida pela valorização exacerbada dos usos e costumes como doutrina primaz, e de sua ênfase em milagres (que lhe rendeu fama e crescimento vertiginoso nos anos 80 e 90 devi